Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Síria. Mais de 30.000 deslocados devido a bombardeamentos em Idlib

Habitantes de Idleb abandonam a cidade para fugir aos combates no derradeiro reduto dos rebeldes

OMAR HAJ KADOUR/Getty

Situada no noroeste sírio, na fronteira com a Turquia, a província de Idleb e os territórios rebeldes adjacentes foram nos últimos dias alvo de bombardeamentos de artilharia do regime e de ataques aéreos de Moscovo

Mais de 30.000 pessoas ficaram desalojadas devido aos bombardeamentos do regime sírio e do seu aliado russo na província de Idleb e territórios rebeldes adjacentes desde o início do mês, indicou hoje a ONU. "Estamos profundamente preocupados com a recente escalada de violência que deixou mais de 30.000 pessoas desalojadas", disse à agência France-Presse um porta-voz do Departamento de Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA) da ONU, David Swanson.

Situada no noroeste sírio, na fronteira com a Turquia, a província de Idleb e os territórios rebeldes adjacentes foram nos últimos dias alvo de bombardeamentos de artilharia do regime e de ataques aéreos de Moscovo. A violência esporádica causou mortos entre os civis, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

Entre 1 e 9 de setembro, a ONU registou "30.542 mulheres, crianças, mas também homens deslocados do sul e sudeste de Idleb, assim como do norte e noroeste da província (vizinha) de Hama", disse Swanson. "A maioria dos deslocados chegaram ao norte de Idleb (...) perto da fronteira turca", precisou.

Cerca de três milhões de pessoas, perto de metade das quais deslocadas de outras regiões da Síria afetadas pela violência, vivem na província de Idled e em bolsas rebeldes nas províncias vizinhas de Hama, Alepo e Latáquia, segundo a ONU.

A batalha de Idleb, último bastião rebelde na Síria, pode tornar-se a "pior catástrofe humanitária" do século XXI, advertiu hoje o secretário-geral adjunto da ONU para os Assuntos Humanitários, Mark Lowcock. A guerra na Síria, desencadeada em 2011, já matou mais de 350.000 pessoas e obrigou milhões a abandonarem as suas casas.