Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Novo governo no Sudão para enfrentar crise económica

Presidente sudanês Omar al-Bashar

Mohamed Nureldin Abdallah/Reuters

O chefe de Estado sudanês deverá formar um executivo mais reduzido, de 21 ministros contra os atuais 31

O Presidente sudanês Omar al-Bashir decidiu afastar de funções a totalidade do seu Governo e formar um novo executivo, destinado a enfrentar a crise económica no país africano, anunciou hoje a presidência.

Omar al-Bashir deverá anunciar a decisão durante uma reunião prevista para esta noite com os dirigentes do Partido do Congresso Nacional (NCP), no poder.

"O Presidente Omar al-Bashir informou (...) que vai despedir o Governo a todos os níveis, o primeiro-ministro, os ministros federais e os ministros de Estado, para corrigir a situação em que se encontra o país", declarou a presidência, em comunicado.

"Vai formar um novo governo que poderá, uma vez mais, fornecer esperança ao povo sudanês", acrescenta o texto.

O chefe de Estado sudanês deverá formar um executivo mais reduzido, de 21 ministros contra os atuais 31, referiu a televisão estatal. O atual Governo, dirigido pelo primeiro-ministro Bakri Hassan Salah, inclui ainda 40 ministros de Estado.

O país confronta-se com uma inflação de mais de 65%, e a libra sudanesa registou uma acentuada queda face ao dólar. A crise económica no Sudão agravou-se apesar do levantamento, em outubro de 2017, das sanções impostas desde há 20 anos por Washington.

Os Estados Unidos mantiveram o Sudão na lista de países apoiantes do "terrorismo" e os bancos estrangeiros, à semelhança dos investidores, permanecem renitentes face a um país assolado por décadas de conflitos.