Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Destruída nos ataques do 11 de Setembro, estação de metro do World Trade Center reabre ao público 17 anos depois

Getty Images

Foi com aplausos que os residentes receberam o primeiro metro que chegou à estação de Cortlandt Street, em Nova Iorque, por volta do meio dia. Esta é, nas palavras do presidente da Autoridade Metropolitana dos Transportes, “mais do que uma estação de metro renovada”: “É símbolo da determinação dos nova-iorquinos em restaurar e melhorar substancialmente o local do World Trade Center”

Pela primeira vez em dezassete anos, um metro percorreu a linha 1 de Nova Iorque com destino à estação de Cortlandt Street. A estação junto ao World Trade Center (WTC), que ficara destruída no ataque terrorista que mudou para sempre Nova Iorque e o mundo, reabriu este sábado ao público pela primeira vez desde 11 de setembro de 2001.

A destruição deu finalmente lugar a uma estação revestida de mármore e aço cromado que, nas palavras do presidente da Autoridade Metropolitana dos Transportes, é “mais do que uma estação de metro renovada”. “É símbolo da determinação dos nova-iorquinos em restaurar e melhorar substancialmente o local do World Trade Center”, especificou ainda Joe Lhota em comunicado citado pela CNN.

Foi com aplausos que os residentes receberam o primeiro metro que chegou à estação de Cortlandt Street por volta do meio dia (hora local), que tem como ex-libris uma obra de arte intitulada “Chorus”, um mosaico de mármore branco que reveste as paredes e no qual se podem ler excertos da Declaração da Independência dos Estados Unidos de 1776 e da Declaração Universal dos Direitos Humanos das Nações Unidas (1948).

Uma obra da artista e professora universitária Ann Hamilton, presente na cerimónia de inauguração. “Foi incrivelmente bonito ver as pessoas responderem silenciosamente ao que penso ser o peso, a importância e o materialismo da linguagem que está na parede”, afirmou à televisão NY1.

A estação renovada, que ganhou o nome de WTC Cortlandt Street, custou 181,8 milhões de dólares (157,3 milhões de euros). O teto teve de ser totalmente substituído, bem como 365 metros do percurso.