Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Brexit. Reino Unido quer acordo com a UE até novembro

Jack Taylor

Apesar do coro de vozes que exige a realização de um novo referendo, Londres acredita que será alcançado “um bom acordo”. E a Alemanha já veio dizer que não está interessada numa saída radical que expulse o Reino Unido da união aduaneira e do mercado único europeu

É já no dia 29 de março que o Reino Unido deverá deixar a União Europeia (UE), mas ainda não há fumo branco para um acordo entre as duas partes.

As dificuldades para alcançar um acordo são não só ao nível das negociações com os restantes Estados-membros, mas também dentro da própria casa: as propostas delineadas recentemente pela primeira-ministra Theresa May relativas às políticas económicas e comerciais na era Brexit foram rejeitadas pelos deputados do seu partido Conservador. E aumenta também o coro daqueles tentam forçar um segundo referendo, com o antigo ministro conservador Guto Bebb a juntar-se a essas vozes.

Apesar da turbulência, o Governo acredita que uma saída negociada e ordenada é o cenário mais provável. “Continuamos muito focados em obter um bom acordo e acreditamos que este não é apenas o resultado certo, mas também o mais provável”, afirmou este sábado à Reuters o ministro adjunto de Theresa May.

Mas, segundo David Lidington, é importante fechar um acordo até novembro de forma a dar tempo aos parlamentos britânico e europeu para analisarem e aprovarem o texto do acordo.

Ainda assim, Londres tem um plano de contingência para o caso de não ser possível alcançar um acordo.

A Alemanha já veio garantir que não está interessada em complicar as negociações. “Não temos interesse em acordar um ‘hard Brexit’ [saída radical]”, garantiu este sábado o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão ao jornal “Frankfurter Allgemeine Zeitung”. Por outras palavras, Heiko Maas mostrou que o país não quer forçar o Reino Unido a sair da união aduaneira nem do mercado único europeu.

Apesar disso, essa ainda é uma hipótese em cima da mesa. “Isto não está excluído”, acrescentou.