Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Mundo da cultura na Suécia mobiliza-se contra extrema-direita

Campanha para as eleições na Suécia

INTS KALNINS/REUTERS

Mais de 250 personalidades da cultura sueca assinaram um apelo na rede social Facebook para bloquear os Democratas da Suécia (SD), partido de extrema-direita que poderá alcançar um resultado histórico nas legislativas de domingo.

Por iniciativa do ator Kjell Bergqvist, vários atores, escritores e músicos juntaram-se ao grupo "#Vad som helst men ALDRIG SD" (#Tudo menos SD), que contava hoje de manhã com perto de 90 mil membros.

"Não posso ficar de braços cruzados", explicou Kjell Bergqvist ao jornal Aftonbladet.

"Estamos muitos preocupados e com medo antes da eleição, graças a este grupo podemos ficar unidos, acreditar num futuro melhor", disse.

Entre os signatários do apelo encontram-se o pintor e escultor Ernst Billgren, os atores Joel Kinnaman ("House of Cards") e Pernilla August, a cantora de jazz Viktoria Tolstoy, trineta do escritor russo, a autora de policiais Camilla Lackberg e Marten Palme, filho do antigo primeiro-ministro assassinado Olof Palme.

Os Democratas da Suécia, formação criada em 1988 por antigos militantes do movimento nacional-socialista, são creditados por várias empresas de sondagens com 17% a 20% dos votos nas eleições de 9 de setembro.

Alguns analistas temem que as intenções de voto no partido estejam a ser subestimadas.

O DS conseguiu 5,7% dos votos em 2010 e 12,9% em 2014, um ano antes da chegada ao país escandinavo de 160 mil requerentes de asilo.

Não terão grande oportunidade de chegar para já ao poder, dado que nenhum dos outros partidos se declara disposto a integrá-lo numa coligação, mas a sua influência no debate político tem crescido e pretendem lucrar com o seu apoio à direita para derrotar a minoria de centro-esquerda cessante obtendo, por exemplo, a presidência de comissões parlamentares.