Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Há um novo “garganta funda” em Washington. Casa Branca funciona “não porque Donald Trump é Presidente mas apesar de ele o ser”

Win McNamee/Getty

Há mais um homem - ou uma mulher - próximo de Trump a defender uma resistência de dentro da Casa Branca, para evitar que o comportamento errático do Presidente Trump prejudique os Estados Unidos. O adjetivo é utilizado pela pessoa que, de forma anónima, assina esta quarta-feira um artigo na secção de opinião e de testemunhos pessoais do "New York Times". O jornal não costuma dar espaço a fontes sem nome nesta editoria, mas considerou, desta vez, ser esta a única forma de dar aos norte-americanos uma perspectiva única sobre o que realmente se passa dentro da Administração

Ana França

Ana França

Jornalista

O “The New York Times” publicou um artigo sem assinatura na sua secção de opinião e esta será a primeira vez que o faz. O testemunho anónimo, garante o “Times”, foi escrito por um funcionário da Casa Branca que trabalha numa posição de responsabilidade e que se diz “parte da resistência” contra as posições “irascíveis” de Donald Trump, Presidente dos Estados Unidos, circunstância que evoca o "garganta funda", a fonte que durante décadas permaneceu secreta, mas que foi decisiva na revelação do "escândalo Watergate" que culminou com a renúncia de Richard Nixon nos anos 1970.

O comportamento “errático” do Presidente, garante em jeito de tentativa de acalmar os norte-americanos, seria mais preocupante se não fossem “os heróis anónimos dentro e perto da Casa Branca” que “se esforçam imenso para conter as más decisões à Ala Oeste, apesar de, claramente, nem sempre terem sucesso nessa diligência”.

Pode até ser “um conforto frio” nesta “era caótica” mas, cidadãos, estejam avisados: “Há adultos na sala”. Não fica mais simpático depois disto.

A “resistência”, avisa quem escreve o artigo, não é uma resistência de esquerda até porque a pessoa que assina o texto considera que a atual Administração norte-americana “tem implementado boas políticas” que estão a tornar o país “mais próspero e mais seguro”.

Departamentos protegem-se dos “caprichos” de Trump

Em todas as pastas governamentais, lê-se no artigo, “existe quem admita todos os dias a sua descrença perante os comentários e as ações” do Presidente e “a maioria trabalha para isolar dos caprichos do presidente as operações dos seus departamentos”.

A resistência de que fala o texto é uma resistência republicana a um presidente que, na opinião do autor das revelações, abraça poucos dos princípios do Grand Old Party e em quem muitos dos seus colaboradores mais próximos deixaram de confiar para liderar o país. E o problema, escreve o alto funcionário anónimo, não é apenas a investigação do procurador-especial Robert Mueller, que está a tentar estabelecer se houve ou não conluio entre e equipa da campanha de Trump para as Presidenciais de 2016, com o objetivo de derrotar Hillary Clinton, e cidadãos russos com ligações ao Kremlin.

Nem que o país esteja “agoniadamente dividido”. Nem mesmo que os republicanos possam perder a maioria na Câmara dos Representantes. “O dilema - que ele não entende - é que muitos dos seus colaboradores mais destacados, na sua própria administração, estão a trabalhar com muito afinco para frustrar a sua agenda e impedir algumas das suas mais perigosas inclinações”, escreve a fonte.

O texto chega menos de 48 horas depois de a comunicação social norte-americana ter começado a publicar trechos do novo livro de Bob Woodward, o jornalista de investigação que, com o seu colega do “The Washington Post” na altura, Carl Bernstein, derrubou Richard Nixon, ao denunciar o "escândalo Watergate". As citações às quais os jornalistas já tiveram acesso mostram uma Casa Branca ora com medo de Trump, ora descrente nas suas faculdades para liderar o país.

O Presidente aparece no livro a ofender o seu procurador-geral, Jeff Sessions, chamando-lhe “débil mental” e “um pacóvio lá do sul”. E este é apenas um dos parágrafos que mostram a rede rota que parecem ser as lealdades que envolvem Trump.

“Resistência” tenta preservar as instituições democráticas

A razão para que este texto seja anónimo, escreve o jornal nova-iorquino numa nota que antecede o testemunho, passa por proteger a segurança desta pessoa e porque esta é “a única forma de oferecer aos leitores uma perspectiva essencial” sobre o que se passa quando Trump se reúne com os seus homens fortes.

Mas não é por não ser um membro da esquerda radical infiltrado que a pessoa que escreve não é dura com Trump - é-o mais do que muitos dos seus críticos. Citando o texto do “New York Times” que elenca as críticas que outros colaboradores de Trump lhe fizeram em conversas com Woodward, a fonte diz que “há muita gente nomeada por Trump que luta todos os dias para preservar as instituições democráticas enquanto tentamos neutralizar os impulsos de Trump até que ele saia do seu cargo”.

A raíz do problema é a “amoralidade do Presidente”. Qualquer pessoa que trabalhe com Trump, continua, “sabe que ele não tem uma âncora em qualquer princípio discernível que possa fundamentar o seu processo de decisão”. Dada a fúria com a qual Trump reage às críticas, é possível que, depois deste texto, salte mais um pedacinho do verniz da famosa secretária Resolute.

Trump mostra escassa afinidade com os ideais conservadores

“Apesar de ter sido eleito como Republicano, o presidente mostra pouca afinidade com os ideiais partilhados pelos conservadores: mentes livres, mercados livres, pessoas livres”, lê-se no testemunho. “Nos melhores dias evocou estes princípios em discursos previamente acordados; nos piores atacou-os de frente”.

Na opinião deste colaborador, há políticas bem desenhadas pela Administração Trump que a imprensa escolhe não acompanhar - “a reforma fiscal histórica, a desregulamentação, um Exército mais robusto, entre outras coisas” - mas o “sucesso destas directrizes” dá-se “não por causa de Trump mas apesar dele” até porque é, aparentemente, muito difícil falar com Trump sobre o que quer que seja. “As reuniões com ele resvalam totalmente para fora do tópico, ele prende-se em rancores repetitivos e a sua impulsividade resulta em decisões mal cozinhadas e mal informadas, que temos que reverter mais tarde”.

A situação é particularmente preocupante, diz esta fonte, na área da política internacional. “Em público e em privado, o presidente mostra uma preferência por autocratas como o Presidente russo Vladimir Putin ou pelo líder norte-coreano Kim Jong-un e demonstra uma genuína falta de consideração pelos laços que nos unem aos nossos aliados, a nações que defendem os nossos valores”, lê-se na página do jornal.

Relutância em expulsar espiões russos

Especificamente no caso da Rússia, quem escreve o texto conta que Trump se mostrou “relutante” em expulsar os espiões que a Rússia mantinha nos Estados Unidos depois de grande parte do mundo ocidental se ter unido na condenação da tentativa de assassinato de Sergei Skripal, ex-espião russo, e da sua filha, com o agente químico Novichok, que se acredita ter sido utilizado por russos em solo britânico.

No golpe final, este homem, ou esta mulher, próximo de Trump escreve que o dano mais grave não é aquele que é feito à presidência, mas “aquilo que a nação lhe permitiu fazer”. “Descemos ao seu nível e autorizámos que desapareçam do nosso discurso todas as notas de civilidade”

  • Trump reage ao artigo do “New York Times”: “É um editorial cobarde”

    Em mais um ataque à sua Administração, o "New York Times" publicou esta quarta-feira um artigo não assinado na sua secção de opinião onde um alegado membro da Casa Branca, próximo de Donald Trump, diz ser parte de uma “resistência” estabelecida por vários funcionários para evitar que o Presidente consiga levar a bom porto todas as suas ideias “sem fundamento”. Donald Trump diz que é só mais um “artigo cobarde” de um jornal “quase a falir”

  • Bob Woodward: há aliados de Trump que lhe escondem documentos e se negam a cumprir ordens

    Bob Woodward, o jornalista de 75 anos que, com outros jornalistas do "The Washington Post", revelou o escândalo Watergate, virou a sua lente para a Casa Branca de Donald Trump e, pelos olhos dos seus homens mais próximos, traça um retrato negro sobre o dia a dia da Administração norte-americana. Desde ofensas diretas ao Presidente passando pelo roubo literal de documentos da sua secretária para proteger a segurança nacional, acontece de tudo um pouco, por estes dias, na Casa Branca