Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Caso Skripal. Moscovo denuncia “manipulação de informação” após identificação de suspeitos russos

Maria Zakharova, porta-voz do MNE russo

MAXIM SHIPENKOV/EPA

A Rússia garante desconhecer a identidade dos dois homens que a polícia britânica indicou como suspeitos do envenenamento Sergei Skripal e da filha Yulia

A Rússia denunciou hoje uma "manipulação de informação" após as autoridades britânicas terem identificado oficialmente dois cidadãos russos como suspeitos de terem usado um agente neurotóxico contra um ex-espião russo no Reino Unido em março passado.

Moscovo garantiu igualmente desconhecer a identidade dos dois indivíduos agora alvo de um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades britânicas.

"Apelamos uma vez mais aos britânicos que acabem com as acusações públicas e com a manipulação de informação", declarou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova, citada pela agência noticiosa pública TASS.

"Os nomes e as fotografias que publicaram nos 'media' não nos dizem nada", acrescentou a porta-voz da diplomacia russa, pedindo a Londres para "cooperar" com a Rússia na investigação sobre o envenenamento com 'novichok' (um agente neurotóxico desenvolvido pela então União Soviética no final do período da Guerra Fria) do ex-espião russo Sergei Skripal e da sua filha Yulia Skripal em Salisbury, no sul de Inglaterra, a 4 de março deste ano.

Este caso originou uma grave crise diplomática entre a Rússia e o Ocidente.

A Procuradoria da Coroa [Crown Prosecution Service] identificou hoje oficialmente dois suspeitos neste caso, Alexander Petrov e Ruslan Boshirov, considerando que existem provas suficientes para acusá-los de conspiração de homicídio de Sergei Skripal e de tentativa de homicídio de Sergei e Yulia Skripal e do agente de polícia Nick Bailey.

Os dois homens são ainda considerados suspeitos do uso e posse de substâncias químicas ilegais, cuja origem as autoridades atribuíram à Rússia, onde o 'novichok' foi desenvolvido no âmbito de um programa militar nos anos 1970.