Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Autoridade Palestiniana retribui e anuncia abertura imediata de embaixada no Paraguai

A posição foi transmitida pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Riad al Malki, citado pela agência de notícias oficial da Autoridade Palestiniana

A Autoridade Palestiniana vai abrir "de imediato" uma embaixada em Assunção, em "reconhecimento" da decisão do Governo paraguaio de fazer regressar a embaixada em Israel de Jerusalém para Telavive, anunciou nesta quarta-feira o chefe da diplomacia palestiniana.

A posição foi transmitida pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Riad al Malki, citado pela agência de notícias oficial da Autoridade Palestiniana, Wafa, acrescentando que vai entrar em contacto com o homólogo paraguaio para iniciar os preparativos e colocar em marcha "os mecanismos adequados" para abrir a embaixada na capital do Paraguai.

O Paraguai anunciou hoje que vai transferir de novo a sua embaixada em Israel para Telavive, três meses após a sua deslocação para Jerusalém, suscitando imediata reação do Governo israelita, que encerrou a sua representação diplomática em Assunção.

A decisão foi tomada pelo governo do novo Presidente paraguaio, Mario Abdo Benítez, que assumiu funções em meados de agosto, e justificada pela necessidade de "contribuir para a intensificação dos esforços diplomáticos regionais e internacionais com o objetivo de garantir uma paz ampla, justa e duradoura no Médio Oriente", informou, em comunicado. Após esta decisão, Israel anunciou o encerramento da sua embaixada em Assunção.

Em 21 de maio último, o ex-presidente paraguaio Horacio Cartes inaugurou em Jerusalém a nova embaixada do seu país em Israel, na sequência de idêntica decisão previamente assumida pelos Estados Unidos da América e que suscitou fortes protestos dos palestinianos e críticas de numerosos países e instâncias internacionais. Nessa ocasião, o presidente eleito, Mario Abdo Benítez, tinha contestado a decisão, ao referir que não foi consultado.

O Paraguai tornou-se no terceiro país a romper com o consenso internacional sobre a instalação das embaixadas fora de Jerusalém, devido ao disputado estatuto da cidade e à persistência do conflito israelo-palestiniano.

Os Estados Unidos transferiram a sua embaixada de Telavive para Jerusalém em 14 de maio, na sequência de uma das mais controversas promessas em política externa do Presidente, Donald Trump. Dois dias mais tarde, a Guatemala seguiu a decisão de Washington.