Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Argentina anuncia cortes na despesa para alcançar défice zero em 2019

Nicolás Dujovne, ministro das Finanças da Argentina

Agencia Makro/Getty

Medidas foram anunciadas na véspera de uma reunião da diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, com o ministro das Finanças da Argentina para debater o pedido de adiantamento de fundos do empréstimo concedido ao país em junho

O ministro das Finanças da Argentina, Nicolás Dujovne, anunciou nesta segunda-feira uma nova política económica para alcançar défice zero em 2019 com uma série de ajustamentos na despesa pública e um já anunciado imposto para as exportações.

"Vamos poupar 6.000 milhões de dólares a mais que não precisamos de procurar em financiamento nos mercados, em 2020 haverá um excedente orçamental primário de 1% do Produto Interno Bruto (PIB), o que nos vai permitir poupar mais 5.200 milhões de dólares", assegurou Dujovne.

Quanto ao imposto para exportações, uma medida já adiantada na mensagem divulgada pouco antes pelo Presidente argentino, Mauricio Macri, Dujovne indicou que será "transitório" para 2019 e 2020 e no valor de "quatro pesos por cada dólar exportado em atividades primárias e serviços e de três pesos por cada dólar para o resto das exportações".

Estas medidas foram anunciadas na véspera de uma reunião da diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, com o ministro das Finanças da Argentina para debater o pedido de adiantamento de fundos do empréstimo concedido ao país em junho, numa altura de desconfiança dos mercados e de queda do peso argentino.

Em junho, a Argentina alcançou um acordo para um empréstimo de 50 mil milhões de dólares do FMI, tendo já recebido 15 mil milhões.