Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Um vídeo ajudou a perceber a verdade sobre Luis Felipe Manvalier, acusado de matar a mulher no Brasil

De início a polícia suspeitou de suicídio mas o depoimento de uma testemunha e, sobretudo, as imagens captadas por câmaras de segurança vieram mudar o rumo da investigação

Tatiane Spitzner, uma advogada brasileira de 29 anos, tinha uma depressão causada em parte pelo complicado divórcio pelo qual estava a passar e, portanto, quando foi encontrada morta numa rua da cidade de Paraná, a 22 de julho, a polícia achou que se teria suicidado. No entanto, o testemunho de uma pessoa que garantiu ter visto um homem a atirá-la da varanda de um apartamento - um quarto andar num condomínio fechado - veio dar um rumo totalmente diferente à investigação.

Luis Felipe Manvalier, biólogo e professor e marido de Tatiane Spitzner, é agora acusado de homicídio. E se o depoimento da referida testemunha já tinha tido uma grande influência, mais certezas teve a polícia brasileira depois de ter tido acesso a imagens que mostram as agressões que Tatiane Spitzner sofreu às mãos do marido desde que os dois saíram do carro até entrarem no elevador do apartamento onde viviam.

As imagens foram divulgadas pela comunicação e nelas vê-se o casal a discutir dentro de um carro estacionado junto ao apartamento e a discutir novamente num parque de estacionamento interior. Felipe Manvalier agarra na mulher e empurra-o contra o carro; ela esconde-se atrás de uma coluna mas é descoberta logo de seguida.

Outro vídeo mostra o casal já no elevador do apartamento, onde a violência se torna ainda mais óbvia. Não se sabe o que aconteceu depois disso, mas assim que as imagens foram divulgadas e se soube também que já havia um historial de violência doméstica, com Luis Felipe Manvalier a ter insultado a mulher várias vezes e a impedi-la de usar o seu próprio dinheiro ou de usar determinadas roupas, o Ministério Público do Paraná apresentou uma denúncia contra ele. Segundo a polícia, depois de ter atirado a mulher da varanda, o biólogo e professor voltou a casa para trocar de roupa e limpar vestígios de sangue que pudessem incriminá-lo.

O número de homicídios no Brasil atingiu um novo recorde em 2017, ano em que se registaram, no total, 63.880 casos, o que corresponderá a mais de sete homicídios por hora, segundo um relatório divulgado por uma ONG brasileira. De acordo com outra ONG, a Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o número de homicídios aumentou 2,9% em 2017 a comparar com o ano anterior.