Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Palestiniana grávida e filha de 18 meses mortas em ataque aéreo israelita

MAHMUD HAMS/AFP/Getty Images

Pelo menos mais uma pessoa, um militante do Hamas, morreu no ataque que provocou ainda 12 feridos. O Exército israelita informou que lançou uma série de raides em resposta às cerca de 150 granadas de morteiro que feriram pelo menos seis pessoas. Os confrontos de quarta-feira acontecem numa altura em que as Nações Unidas e o Egito tentam assegurar um acordo de cessar-fogo

Uma palestiniana grávida e a sua filha de 18 meses estão entre as vítimas mortais de um ataque aéreo israelita na noite desta quarta-feira na Faixa de Gaza. Enas Khammash, de 23 anos, e a filha, Bayan, morreram durante um raide que atingiu Jafarawi, no centro daquele território. O marido de Enas ficou ferido, segundo uma fonte citada pela agência de notícias France-Presse.

Pelo menos mais uma pessoa, um militante do Hamas, morreu no ataque que provocou ainda 12 feridos, de acordo com a agência de notícias palestiniana WAFA, que cita fontes dos serviços de saúde. O Exército israelita informou que lançou uma série de raides em resposta às cerca de 150 granadas de morteiro disparadas a partir do enclave litoral e que feriram pelo menos seis pessoas.

Já esta quinta-feira, o Exército alertou o Hamas para as consequências de uma nova escalada de violência, enquanto os media israelitas avançavam que as autoridades estão a considerar a retirada de moradores de áreas próximas da fronteira de Gaza. “O Hamas vai perceber nas próximas horas, como nos últimos meses, que este não é o caminho que quer seguir”, escreveu um militar de alta patente no Twitter, citado pela Al Jazeera.

Em comunicado, a força militar do Hamas reivindicou os disparos das granadas, dizendo tratar-se de “resistência” palestiniana contra “posições inimigas”. Os confrontos de quarta-feira acontecem um dia depois de dois dirigentes do Hamas terem sido mortos por disparos israelitas e numa altura em que as Nações Unidas e o Egito tentam assegurar um acordo de cessar-fogo.