Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Agentes russos estão infiltrados em sistemas eleitorais da Florida, alerta senador

Joe Raedle/Getty Images

Em entrevista ao jornal “Tampa Bay Times”, o democrata Bill Nelson avisa que “se os cadernos eleitorais não estiverem protegidos, [os russos] vão começar a eliminar eleitores registados”. No mês passado, Nelson e o senador republicano Marco Rubio escreveram uma carta aos 67 supervisores eleitorais da Florida sobre possíveis ameaças. “Não é tempo para brincadeiras”, previne o democrata

Agentes russos infiltraram-se em alguns sistemas eleitorais da Florida e poderão apagar eleitores registados antes das eleições intercalares de novembro. O alerta foi deixado pelo senador Bill Nelson daquele estado norte-americano, em entrevista ao jornal “Tampa Bay Times”.

No mês passado, o democrata Nelson e o senador republicano Marco Rubio, ambos representantes da Florida, escreveram uma carta aos 67 supervisores eleitorais do estado sobre possíveis ameaças. “Não é tempo para brincadeiras e é por isso que dois senadores, bipartidários, se dirigiram ao aparato eleitoral da Florida para que eles soubessem que os russos entraram nos seus registos e, se os cadernos eleitorais não estiverem protegidos, vão começar a eliminar eleitores registados”, disse Nelson ao jornal.

O senador revelou ainda que ele e Rubio foram instados pelo presidente e vice-presidente dos serviços secretos do Senado a informar os supervisores eleitorais da infiltração russa. No entanto, o departamento do estado da Florida que supervisiona os atos eleitorais alega que recebeu “informação zero” por parte do senador e das agências federais e estaduais.

Os serviços secretos dos EUA concluíram que agentes russos visaram as eleições presidenciais de 2016 com uma campanha de desinformação para favorecer a candidatura de Donald Trump. Os esforços de ingerência russa prosseguem e têm agora como alvo as eleições intercalares de 6 de novembro, adiantaram os serviços secretos.

“A nossa democracia está na mira”

No início do mês, o diretor dos serviços secretos norte-americanos Dan Coats acusou a Rússia de continuar “a tentar enfraquecer e dividir os Estados Unidos” interferindo no processo eleitoral e imiscuindo-se no debate político. “É uma ameaça que devemos levar muito a sério”, alertou, por seu lado, Christopher Wray, diretor do FBI, também presente numa conferência de imprensa dedicada ao assunto, na Casa Branca.

Os responsáveis dos serviços de informações e de segurança interna dos EUA alertaram sobre potenciais esforços para influenciar o resultado das eleições intercalares deste ano e as presidenciais de 2020, com o diretor da segurança nacional, Kirstjen Nielsen, a afirmar: “A nossa democracia está na mira”. Em seguida, juntamente com o diretor da Agência de Segurança Nacional, o general Paul Nakasone, tentou tranquilizar a opinião pública, dizendo que estão a fazer tudo o que é possível para combater a ameaça.