Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trabalhadores do chá em greve na Índia por aumento de 50 cêntimos diário

India Photography/Getty

Sindicatos esperam exercer uma pressão elevada num período em que a produção atinge o máximo e os prejuízos financeiros serão mais importantes

Centenas de milhares de trabalhadores nas plantações de chá de Darjeeling, leste da Índia, iniciaram nesta terça-feira uma greve para obter um aumento de 50 cêntimos por dia. "Mais de 400.000 operários de cerca de 370 plantações participam nesta greve de três dias" no Estado de Bengala Ocidental, precisou à agência noticiosa France-Presse Aloke Chakraborty, presidente do comité central do sindicato dos trabalhadores do chá.

"O salário mínimo diário de um operário na plantação é de 169 rupias [2,1 euros]", acrescentou. Pedimos um aumento de 20% para 203 rupias [2,6 euros]", acrescentou. De momento, os grevistas ainda não afetaram o trabalho nas plantações de Darjeeling, célebres pelo seu chá exportado para todo o mundo.

Os 'media' referem que 29 sindicatos locais apoiam a greve. Os sindicatos esperam exercer uma pressão elevada num período em que a produção atinge o máximo e os prejuízos financeiros serão mais importantes. "Somos sensíveis à questão e tentamos encontrar uma solução para aumentar o salário mínimo dos operários", declarou aos 'media' um ministro regional, Gautam Dev.

As plantações de chá, um vestígio do regime colonial britânico, são regularmente notícia em destaque nos 'media' indianos devido aos conflitos salariais e às más condições de trabalho.