Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bolonha. Explosão em autoestrada causa prejuízo de um milhão de euros

GIANNI SCHICCHI/GETTY

Foi aberto um inquérito para apurar as causas do acidente, que provocou um morto e 145 feridos, quatro deles em estado grave

Um dia após o acidente que envolveu um camião-cisterna e outro veículo pesado numa autoestrada próximo de Bolonha – que resultou numa violenta explosão e no colapso parcial de um viaduto –, as autoridades italianas fazem o balanço dos danos causados. Segundo o Ministério das Infraestruturas e Transportes, os prejuízos deverão rondar um milhão de euros e obrigarão a obras de grande intervenção naquela via no norte de Itália, que poderão durar entre três a cinco meses.

Foi aberto, entretanto, um inquérito para apurar as causas do acidente desta segunda-feira, que causou um morto e 145 feridos, quatro deles em estado grave. O procurador de Bolonha, Giuseppe Amato, admitiu que não se pode descartar a possibilidade de o motorista do camião-cisterna, a única vítima mortal, ter tido um “golpe de sono” ou um “segundo de distração”, uma vez que à partida não houve erros na construção da auto-estrada e há regras para o transporte de produtos inflamáveis, refere o jornal “Corriere della Sera”. Mas só o relatório do inquérito deverá esclarecer as dúvidas sobre o acidente.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, aproveitou esta manhã para visitar algumas vítimas nos hospitais de Bolonha e Cesena, incluindo agentes da polícia que sofreram queimaduras graves.

“Vim aqui para poder perceber pessoalmente as consequências deste terrível acidente de ontem. Mas apesar de tudo, podemos considerar que fomos afortunados e que as consequências poderiam ter sido muito piores”, declarou o chefe do Governo italiano, à margem da visita aos hospitais, citado pelo jornal “La Reppublica”.

O agente Riccardo Muci, de 31 anos, foi um dos feridos que recebeu a visita do chefe do Governo italiano e que já é apontado como um herói, uma vez que bloqueou o acesso à estrada e gritou para as pessoas fugirem do local. “Comecei a sentir um cheiro intenso, estava a cerca de 20 metros do viaduto quando ocorreu aquela enorme explosão. Reparei que havia pessoas a tirar fotos e a filmar e foi então que comecei a gritar, dizendo para fugirem”, explicou o polícia ao jornal “La Stampa”. Questionado sobre se se considera um herói, o agente disse perentório que não: “Fiz apenas o meu trabalho”.

Entretanto, foi reaberta a circulação nos dois sentidos nas estradas que cruzam com aquela autoestrada, anunciaram as autoridades.