Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Sismo na ilha indonésia de Lombok provocou 37 mortos e dezenas de feridos

Anadolu Agency/Getty

tremor de terra foi registado a 10 quilómetros de profundidade e a 2,4 quilómetros a leste de Loloan, uma localidade no norte da ilha

Pelo menos 37 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas, de acordo com o mais recente balanço, no sismo de magnitude 7 que abalou neste domingo a ilha indonésia de Lombok, no sul do país. Entre as vítimas mortais encontram-se um rapaz de um ano e uma pessoa de 72 anos. Segundo o instituto norte-americano de geofísica (USGS), o tremor de terra foi registado a 10 quilómetros de profundidade e a 2,4 quilómetros a leste de Loloan, uma localidade no norte da ilha. As autoridades indonésias lançaram um alerta de tsunami que foi depois levantado.

Entretanto, o sismo não vitimou turistas, indicou a Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, citando as autoridades indonésias. Segundo informação divulgada no Portal das Comunidades, o Ministério do Turismo indonésio e o Governo provincial de Lombok anunciaram que "não há vítimas entre os turistas que se encontram em Bali e Lombok". De acordo com as mesmas fontes, "houve necessidade de evacuar hotéis, e em Lombok os viajantes estrangeiros foram levados para a montanha, devido a um alerta inicial de Tsunami que não se concretizou".

A Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas deixa ainda um conselho aos cidadãos portugueses "que estejam ali de passagem ou nas proximidades do epicentro, [para] que sigam as recomendações das autoridades locais e das unidades hoteleiras onde estejam alojados". Por último, refere que "apesar de alguns danos menores, os aeroportos de Denpasar, em Bali, e de Lombok mantêm-se a operar normalmente".

Há uma semana um outro tremor de terra de magnitude de 6,4 causou 17 mortos e mais de 350 feridos em Lombok, ilha turística dominada pelo vulcão Rinjani e situada a leste de Bali, onde o sismo de hoje também terá sido sentido.

A Indonésia está localizada no designado "anel de fogo do Pacífico", área de grande atividade sísmica, que regista cerca de 7.000 sismos anualmente, a maioria moderados.