Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Grécia. Novo balanço indica 88 mortos nos incêndios

Anadolu Agency/Getty

Já depois de o total de vítimas mortais ter sido revisto em baixa, morreu uma mulher que perdeu o seu bebé na tragédia e se encontrava hospitalizada. Há 40 pessoas ainda hospitalizadas e uma desaparecida

Os grandes incêndios de julho na Grécia provocaram 88 mortos, indica o último balanço, divulgado esta sexta-feira pelo Ministério da Saúde, após a morte de uma mulher que perdeu o seu bebé na tragédia e se encontrava hospitalizada.

Esta mulher, com 35 anos, não resistiu às graves queimaduras, acrescentou o ministério. Era casada com um bombeiro que tinha sido mobilizado em 23 de julho para combater as chamas.

A sua morte eleva para 88 o número de mortes confirmadas como resultado dos incêndios que assolaram zonas balneares dos arredores de Atenas, na base de um novo balanço divulgado pela polícia na quinta-feira, e que revê em baixa o número de mais de 90 mortos anunciado pelas autoridades no final de julho. Uma pessoa ainda está desaparecida e outras 40 permanecem hospitalizadas, incluindo uma criança. Nove estão em estado crítico.

A oposição acusou o Governo de ter fracassado na concretização de um sistema adequado de alerta e evacuação numa zona regularmente atingida por fogos florestais, e de ter tentado ocultar a amplitude do balanço em vidas humanas durante a catástrofe.

O Governo respondeu ao evocar a dificuldade de organizar rapidamente uma retirada eficaz devido às rajadas de vento que atingiram os 120 quilómetros por hora.

Os familiares de duas pessoas mortas nos incêndios apresentaram uma queixa contra as autoridades por negligência e colocação em risco da vida de outrem.

  • Ninguém veio para nos salvar [documentário]

    Nos escombros de Mati, na Grécia, os sobreviventes procuram respostas para a tragédia que dizimou uma cidade. Uma semana depois, sentem que foram abandonados à sua própria sorte para morrer. “Um sítio cheio de famílias, de avós e netos: como foi possível largarem-nos assim sem uma forma de nos salvarmos a nós próprios?”