Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Google estará a preparar versão censurada do motor de busca para o mercado chinês

studioEAST/Getty Images

Termos de pesquisa relacionados com direitos humanos, democracia, religião e protestos pacíficos estarão entre as palavras incluídas na lista negra da versão adulterada. Desde que abandonou o mercado chinês em 2010, a Google tem tentado reentrar no país, onde muitos dos seus produtos são bloqueados pelos órgãos de regulação

A Google planeia lançar uma versão do seu motor de busca na China que bloqueará alguns sites e termos de pesquisa. A informação foi avançada esta quarta-feira pelo site “The Intercept” e confirmada por duas fontes contactadas pela agência Reuters.

Desde que abandonou o mercado chinês em 2010, a empresa tem tentado reentrar no país, onde muitos dos seus produtos são bloqueados pelos órgãos reguladores. O site de notícias divulgou os planos da Google para a China, citando documentos internos da empresa e pessoas ligadas ao processo.

De acordo com “The Intercept”, o projeto tem o nome de código “Dragonfly” e está em marcha desde a primavera de 2017. Termos de pesquisa relacionados com direitos humanos, democracia, religião e protestos pacíficos estarão entre as palavras incluídas na lista negra desta versão adulterada do motor de busca. A versão final poderá ser lançada nos próximos seis a nove meses, estando ainda dependente do aval das autoridades chinesas, acrescentou o site.

Um funcionário da Google, que não quis ser identificado, confirmou à Reuters que muitos executivos ao nível da vice-presidência têm conhecimento do assunto e que ele próprio já viu slides do projeto. Uma fonte chinesa, que também quis permanecer anónima, disse à agência de notícias que o projeto não tem a aprovação das autoridades e que é “muito improvável” que venha a ser disponibilizado este ano.