Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Três cidadãos russos assassinados na República Centro-Africana

Corpos “foram encontrados a 23 quilómetros de Sibut”, disse fonte judicial

Três russos, que tinham consigo carteiras profissionais de jornalista, foram assassinados na madrugada desta terça-feira perto de Sibut, no centro da República Centro-Africana, segundo fontes judiciais, religiosas e de segurança citadas pela agência France-Presse. Os corpos "foram encontrados a 23 quilómetros de Sibut", disse fonte judicial, precisando que os três homens "foram assassinados por desconhecidos armados" numa barreira erguida numa estrada.

Os corpos foram transportados hoje de manhã para a base da missão da ONU no país (MINUSCA) em Sibut, segundo a mesma fonte. O motorista que os conduzia está desaparecido, precisou: "Eles regressavam de Kaga Bandoro [norte] pela estrada", disse uma fonte religiosa de Sibut.

Nem a embaixada russa em Bangui nem o conselheiro russo da presidência centro-africana sabiam da presença no país de jornalistas russos, segundo fonte de segurança russa.

A Rússia está desde o princípio do ano na República Centro-Africana, onde dá formação militar, fornece armas e é responsável pela segurança do presidente Faustin-Archange Touadéra, cujo conselheiro para a segurança é um russo. O programa russo no país, autorizado pela ONU, tem oficialmente como objetivo reforçar o exército num país onde a maioria do território é controlado por grupos armados.

No final de maio, o presidente centro-africano reuniu-se em São Petersburgo com o homólogo russo, Vladimir Putin, a quem agradeceu a ajuda prestada ao país, que vive uma "situação humanitária difícil" e "um processo de consolidação e de reconciliação". Na mesma ocasião, Putin declarou-se aberto a avaliar "diferentes meios para intensificar" as relações bilaterais.