Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Escritor chinês que matou quatro pessoas e utilizou as cenas como inspiração foi condenado à morte

Liu Yongbiao matou quatro pessoas num pequeno hotel da cidade de Huzhou e mais de 20 anos depois foi apanhado

ChinaFotoPress/Getty

Liu Yongbiao, de 53 anos, foi esta quarta-feira condenado à morte, com o seu cúmplice, por ter morto quatro pessoas num pequeno hotel da cidade de Huzhou, na província chinesa de Zhejiang, em 1995. O autor galardoado disse, numa entrevista, que alguns dos detalhes dos homicídios tinham servido de inspiração, mas que merecia morrer "100 vezes" pelos crimes que cometeu

O galardoado escritor chinês que utilizou os próprios crimes como inspiração para os seus romances policiais foi condenado à morte.

Liu Yongbiao, hoje com 53 anos, matou um casal e o neto de ambos, com 13 anos, num pequeno hotel, em Huzhou, em 1995. Liu e o seu cúmplice, identificado apenas como Wang no tribunal e também condenado à morte, terão matado as pessoas com o objetivo de encobrir o assassinato de um dos hóspedes, que “parecia rico”, disse Liu mais tarde numa entrevista à Televisão Central da China (CCTV). São 24 anos de um caso frio que assolou a China e que só se resolveu devido à recente análise de ADN de uma beata de um cigarro deixado por Liu perto do local do crime.

Dia 8 de agosto de 2017, polícias vestidos à civil percorreram as casas da zona de Nanling, na província de Anhui, no leste da China dizendo fazer parte de uma organização que estava a recorrer amostras de ADN para a realização de árvores genealógicas da população local. Quando contou a história dos crimes à CCTV, Liu disse que pensou na altura que essas pessoas pudessem ser agentes da polícia, mas que preferiu mesmo assim fornecer a amostra porque vivia há anos sob o tormento do que fez e “devia morrer 100 vezes” pelos seus crimes.

Quando a polícia se dirigiu à sua casa para o prender, há um ano, Liu disse que tinha estado à espera muito tempo e que as lembranças dos detalhes dos homicídios eram por veze muito piores do que a morte.

Em 1985, Liu começou a escrever contos para várias revistas depois de ter falhado o acesso à universidade. Em 2013, foi aceite na Associação de Escritores da China, ligada ao Partido Comunista, sendo um dos apenas 13 membros da província de Anhui. O seu romance “A Film”, de 2005, foi um grande sucesso e foi com ele que se tornou famoso. Em 2010 publicou um outro livro aclamado pela crítica - “The Guilty Secret” - no qual se debruça na vida dura de vários camponeses. No prefácio desse livro, Liu admite que gostava de escrever sobre uma bonita escritora que tenha cometido vários crimes sem que as autoridades a conseguissem apanhar.

Liu admitiu que alguns dos detalhes mais chocantes dos seus livros tinham uma ligação direta com os homicídios que imaginou, mas nunca tinha tido coragem de incluir descrições do crime que cometeu no hotel.