Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Criança de nove anos estrangulada pelo marido no Afeganistão

A menina tinha sido entregue ao homem quando tinha apenas sete anos, em pagamento de uma dívida

Luís M. Faria

Jornalista

Uma menina que foi casada à força com um homem quando tinha sete anos foi agora assassinada por ele, dois anos depois. Aconteceu no Afeganistão, um país que recebe ajuda maciça do Ocidente e onde, apesar das iniciativas do Governo para reduzir esses casos, um terço das raparigas ainda casam antes dos 18 anos.

O pai da criança admitiu que a tinha oferecido a um adulto como pagamento de uma dívida. O valor dela foi estimado em cerca de mil euros. Embora a lei proíba esse tipo de transação, que se chama baad, continua a ser praticado pelo país fora.

Desta vez foi em Kadanak, na província de Bhadgis. O homem terá espancado e estrangulado a criança na sequência de uma discussão sobre "problemas familiares" e a seguir pôs-se em fuga.

A ministra do Trabalho, Assuntos Sociais, Mártires e Deficientes, Faizullah Kazi, disse: "Vamos mudar esta cultura do casamento infantil para que nenhuma criança do país seja vítima. O casamento infantil é uma violação escandalosa dos direitos humanos e rouba às crianças a sua educação, a sua saúde e a sua infância".

Em cinco anos, segundo números oficiais, o fenómeno decresceu apenas 10 por cento no país. Fatores culturais e de pobreza, bem como a própria insegurança que grassa no país, estão entre as principais causas deste decréscimo.

Até agora, apenas o pai da menina morta foi preso - por tê-la obrigado a casar.