Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Estão a morrer com dor e isso é indigno”: faltam medicamentos para mais de 55 mil pessoas com cancro na Venezuela

ONG já pediu responsabilidades ao governo venezuelano

Na Venezuela há mais de 55 mil pacientes com cancro que estão sem tratamento por falta de medicamentos, denunciou segunda-feira a ONG Codevida, uma aliança de organizações dedicadas à defesa e ao direito à saúde dos venezuelanos.

"Mais de 55 mil pessoas com cancro não têm medicamentos oncológicos e as pessoas que têm cancro em fase terminal não têm medicamentos paliativos, estão a morrer com dor e isso é indigno", denunciou o presidente da Codevida.

Em declarações aos jornalistas, Francisco Valência insistiu que aos pacientes que estão em "fase final", há "que dar-lhes pelo menos uma morte digna".

"Senhor ministro (da saúde, Carlos Alvarado González), senhor Presidente (da República, Nicolás Maduro) vocês são responsáveis pela saúde dos venezuelanos", frisou.

Segundo Francisco Valência, estão "sobrelotas" as unidades de diálise para pacientes com insuficiência renal.

"Não há materiais para diálise. Todos os dias estão a morrer pessoas. Cada dia há menos máquinas para diálise. Este ano já morreram 11 pessoas transplantadas e há mais de 90 rejeições", frisou.