Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Zimbabwe vai a votos pela primeira vez na era pós-Mugabe mas ainda com a sombra do ex-Presidente

ODD ANDERSEN/AFP/Getty Images

Robert Mugabe reapareceu este domingo de surpresa para dizer que não votará em Emmerson Mnangagwa nas presidenciais desta segunda-feira. Os principais candidatos são o atual Presidente Mnangagwa, do partido no poder ZANU-PF, e o líder da oposição Nelson Chamisa. O emprego é uma das principais promessas eleitorais num país onde a taxa de desemprego ronda os 90%. Com quase metade dos eleitores inscritos com menos de 35 anos, o voto jovem é considerado fundamental

As primeiras eleições da era pós-Mugabe realizam-se esta segunda-feira no Zimbabwe, um dia após a sombra do Presidente fundador do país ter voltado a pairar. Depois de quase quatro décadas no poder, Robert Mugabe foi derrubado num golpe no ano passado, mas este domingo reapareceu de surpresa para dizer que não votará em Emmerson Mnangagwa nas presidenciais.

“Não posso votar naqueles que me têm maltratado. Farei a minha escolha entre os outros 22 candidatos”, disse Mugabe aos jornalistas. Quando questionado pela BBC sobre se gostaria de ver o líder da oposição Nelson Chamisa a vencer, Mugabe respondeu que este era o único candidato viável.

Os principais candidatos são o atual Presidente Mnangagwa, do partido no poder ZANU-PF, e Chamisa, da aliança MDC (Movimento para a Mudança Democrática).

Duas ideias-chave: emprego e voto jovem

Mnangagwa promete emprego, num país onde a taxa de desemprego se estima ser da ordem dos 90%, e é considerado recetivo a reformas económicas. Mnangagwa sobreviveu a várias tentativas de assassinato atribuídas a apoiantes de Mugabe. Chamisa também promete reconstruir a economia do país, mas tem sido criticado por fazer promessas extravagantes como a introdução de um comboio de alta velocidade ou a realização dos Jogos Olímpicos no Zimbabwe.

As sondagens dão vantagem a Mnangagwa, antigo braço-direito de Mugabe. No entanto, se for eleito, Chamisa torna-se o mais jovem Presidente do Zimbabwe. Após o apoio expresso de Mugabe a Chamisa, Mnangagwa acusou o seu mais direto rival de ter feito um acordo com o antigo chefe de Estado. Espera-se uma elevada taxa de participação de eleitores que votam pela primeira vez. Com quase metade dos inscritos com menos de 35 anos, o voto jovem é considerado fundamental.

Centenas de observadores internacionais foram mobilizados para garantir que a votação decorre num clima de normalidade. Contudo, a oposição tem-se queixado repetidamente de irregularidades nas listas de eleitores e nos boletins de votos e ainda de intimidação nas zonas rurais.