Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Princesa Leia vai entrar no próximo filme da Guerra das Estrelas

Sunset Boulevard

O realizador descobriu uma forma de aproveitar filmagens com Carrie Fisher, que morreu em 2016. Cenas tinham sido filmadas para um episódio anterior da saga

Luís M. Faria

Jornalista

O nono episódio da saga "A Guerra das Estrelas", com estreia marcada para dezembro de 2019, vai ter a participação inesperada de Carrie Fisher, a atriz que interpretava desde o início o papel de princesa Leia, um dos principais personagens da série.

A sua morte inesperada por paragem cardíaca em 2016, aos 60 anos, podia ter posto fim à sua presença na saga. Os produtores tinha dito que não iam recorrer a uma versão digital dela (como se havia feito noutro filme ligado à Guerra das Estrelas para mostrar a sua personagem em jovem). Mas conseguiu-se descobrir outra forma.

"Amávamos desesperadamente Carrie Fisher", explica J.J. Abrams, o realizador do filme. "Com o apoio e a benção da sua filha, Billie, encontrámos uma forma de honrar o legado e o seu papel como Leia no episódio IX usando vídeo nunca visto que filmámos juntos no episódio VII".

A solução, portanto, passa por utilizar material originalmente filmado para o episódio anterior que Abrams realizou (no VIII, o realizador foi diferente. Fisher morreu antes de ele estrear, mas a sua parte estava toda filmada, e esse episódio é-lhe dedicado). Ainda não é claro exatamente como se vai fazer, mas é provável que algumas falas de Fisher sejam modificadas, e talvez dobradas.

Sabe-se que estava previsto o episódio IX centrar-se na sua personagem, depois de outros se terem focado nos outros dois membros do trio original de heróis. Ainda que isso não aconteça, agora há pelo menos uma garantia de que ela não ficará esquecida.

Iniciada em 1977, a saga Star Wars (título original) é composta por uma trilogia original de filmes, uma prequela também em trilogia, e uma outra trilogia de sequela, onde o filme em preparação é o episódio final. Enquanto 'franchise' cinematográfica, com milhares de produtos associados, é a segunda mais lucrativa de sempre, apenas atrás da Marvel.

Em 2012, a Lucas Film, que a produz, foi vendida à Disney por 4,05 mil milhões de dólares - uma soma considerada exorbitante na altura, mas que a Disney já recuperou e excedeu em muito.