Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Espanha. Taxis de Barcelona e Madrid parados contra a Uber e a Cabify

JOSEP LAGO

Centenas de taxistas passaram a noite parados na Gran Vía de Barcelona. Esta manhã, em assembleia, decidiram manter o protesto por tempo indeterminado com o objetivo de continuar a bloquear o trânsito no centro da cidade. Em solidariedade, e de forma espontânea, os colegas de Madrid tomaram esta manhã uma decisão semelhante

Contra a proliferação de licenças para carros de empresas como a Uber ou Cabify, os taxistas de Madrid anunciaram este sábado uma “greve espontânea” e por tempo indeterminado, em solidariedade com os colegas de Barcelona, que iniciaram o protesto.

Segundo a agência EFE, em causa está uma decisão do Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC) conhecida na sexta-feira que manteve suspenso o regulamento metropolitano que restringe a concessão de licenças a veículos de aluguer com motorista como os casos de plataformas como a Uber ou a Cabify, que motivou o endurecer dos protestos dos taxistas, que paralisaram na sexta-feira o centro de Barcelona com os táxis, assim como os acessos ao aeroporto.

Centenas de taxistas passaram a noite parados na Gran Vía de Barcelona.

Esta manhã, em assembleia, decidiram manter o protesto por tempo indeterminado com o objetivo de continuar a bloquear o trânsito no centro da cidade, em plena época alta de turismo, apelando a que se dê continuidade às reivindicações e garantindo que a paralisação está a ser apoiada pela totalidade dos taxistas.

Em solidariedade, e de forma espontânea, os colegas de Madrid tomaram esta manhã uma decisão semelhante, apoiada pela Federação Profissional do Taxi de Madrid, que aprovam a decisão dos taxistas tomada por iniciativa própria de não trabalhar, a qual já deixou sem serviço de táxi o aeroporto de Barajas e a estação de comboios de Atocha.

Os taxistas de Madrid acordaram, no entanto, prestar serviços mínimos gratuitos para idosos e pessoas com deficiência.

“Neste momento não há táxis em Madrid”, disse à agência EFE Julio Sanz, presidente da federação madrilena.

Os taxistas de Madrid exigem do Governo central “mudanças legislativas urgentes” que garantam a viabilidade do serviço de táxi.

“Exigimos uma resposta da administração que passe aos taxistas a tranquilidade e estabilidade necessárias para continuar a desenvolver o nosso serviço”, lê-se num comunicado da federação citado pela EFE, no qual aceita juntar-se aos protestos espontâneos.

Na sexta-feira, inúmeros taxistas de Madrid bloquearam os acessos ao aeroporto de Barajas, obrigando à presença de vários elementos da Unidade de Intervenção Policial para evitar que ocorressem incidentes.

Em Portugal, o parlamento aprovou a 12 de julho a lei que regula a atividade de transportes em veículos descaracterizados, numa votação que mereceu críticas da Federação Portuguesa do Táxi, que repudiou as alterações aprovadas se mostrou “descontente com a teimosia parlamentar” por ter dado aval a uma lei que, segundo a federação, não responde às questões que motivaram o veto do Presidente da República.