Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Reino Unido afinal não vai ajudar EUA a condenar à morte dois membros do Daesh - para já

O anúncio de essa aparente excepção à oposição contra a pena capital indignou deputados, ex-governantes e outros comentadores

Luís M. Faria

Jornalista

O governo do Reino Unido anunciou que suspendeu a colaboração dos seus serviços de 'intelligence' com os Estados Unidos na extradição e acusação de dois membros do Daesh, depois de se ter tornado público que o ministro do Interior britânico tinha dito formalmente aos americanos que não exigiria garantias de que a pena capital não seria aplicada.

O Reino Unido tem há muito uma posição estabelecida contra a pena capital, e o caso pôs à luz que nalguns casos esse princípio é afastado. Os dois terroristas em causa, Alexanda Kotey e El Shafee Elsheik, eram membros do chamado grupo dos "Beatles", liderado por Muhamad Emwazi, conhecido pela alcunha Jihadi John. Emwazi apareceu numa série de vídeos a executar reféns ocidentais, entre os quais o jornalista norte-americano James Foley e vários britânicos. Foi morto num ataque de drone em 2015.

O quarto membro do grupo encontra-se preso na Turquia. Quanto a Kotey e Elsheik, foram presos quando se preparavam para entrar na Turquia, disfarçados de refugiados. Encontram-se atualmente nas mãos das Forças Democráticas da Síria, um grupo da oposição, que se dispõe a enviá-los para os Estados Unidos.

Após meses de discussões sobre quem devia julgá-los, o Reino Unido - que lhes retirou a nacionalidade britânica - aceitou que fossem os Estados Unidos, e concordou em assistir os procuradores americanos com informação fornecida pelos seus serviços de inteligência. Foi essa decisão que indignou vários deputados, ex-governantes e comentadores, e obrigou o ministro a recuar; ou, como ele explicou, a fazer "uma curta pausa".

A decisão terá sido tomada, pelo menos parcialmente, pelo então ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, com o conhecimento de Theresa May. Um dos resultados do debate é ter-se ficado a saber que já antes houve situações semelhantes. A ser verdade, é algo que mina o compromisso assumido por sucessivos governos britânicos de trabalhar para o fim da pena capital em todo o mundo.