Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Washington e Bruxelas querem acordo imediato para o aço e o alumínio

SAUL LOEB/Getty

Steven Mnuchin que “o primeiro dossiê” que deve ser resolvido no diferendo comercial entre Europa e Estados Unidos é o que diz respeito àquelas tarifas e às medidas europeias de represália

O secretário do Tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, afirmou nesta quinta-feira que Washington e Bruxelas querem concretizar um acordo comercial, sublinhando que a prioridade é encontrar uma saída para as taxas sobre o aço e o alumínio. "Tivemos uma longa sessão de negociação na quarta-feira. Determinámos os contornos de um acordo e agora temos de os transformar num verdadeiro acordo", declarou Mnuchin ao canal de televisão norte-americano CNBC, um dia após o encontro do presidente Donald Trump com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Numa altura em que a União Europeia (UE) está desde 1 de junho a ver aplicadas taxas de 25% às suas exportações de aço para os Estados Unidos e de 10% às de alumínio, o responsável pelas Finanças disse que "o primeiro dossiê" que deve ser resolvido é precisamente o que diz respeito a essas tarifas e às medidas europeias de represália.

"A primeira fase é resolver imediatamente essas questões para que não haja tarifas de um lado nem do outro", afirmou.
"As bases para um acordo estão lançadas e espero que isso se possa resolver rapidamente", declarou. Steven Mnuchin confirmou também que não serão aplicadas taxas aduaneiras ao setor automóvel europeu durante as negociações entre as duas partes. A Casa Branca incumbiu em maio o Departamento do Comércio de determinar a oportunidade de impor taxas adicionais até 25% às importações no setor automóvel.

Trump e Juncker anunciaram na quarta-feira uma trégua na guerra comercial entre os dois blocos, apontando uma série de decisões nos setores da agricultura, indústria e energia.