Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Trump e Juncker chegam a acordo para evitar uma guerra comercial transatlântica

Win McNamee/Getty

“Tivemos uma grande dia, muito grande”, afirmou o Presidente dos Estados Unidos após o encontro desta quarta-feira, em Washington, com Jean-Claude Juncker, líder da Comissão Europeia

Donald Trump e Jean-Claude Juncker anunciaram nesta quarta-feira ter chegado a um acordo que vai evitar a guerra comercial transatlântica que pairou no horizonte durante as semanas mais recentes. Os termos do entendimento incluem o aumento das importações da União Europeia de gás natural liquefeito e de sementes de soja oriundos dos Estados Unidos, bem como a redução das taxas aduaneiras sobre produtos industriais de ambos os lados do Atlântico.

Depois de uma semana em que o Presidente dos Estados Unidos chgegou a ameaçar com a imposição de tarifas pesadas sobre as importações de veículos europeus, Trump e o presidente da Comissão Europeia comprometeram-se a abdicar da aplicação de outras taxas enquanto as negociações entre os dois blocos continuarem, de acordo com as palavras de Juncker citadas pela Bloomberg.

Numa declaração conjunta na Casa Branca, Donald Trump afirmou que esta quarta-feira foi "um grande dia, muito grande" e antecipou que fica aberta uma "nova fase" nas relações comerciais entre os Estados Unidos e os, ainda, 28. Trump foi mais longe ao anunciar que os dois líderes vão trabalhar para que se atinja um objetivo de taxas aduaneiras "zero" sobre os bens industriais fabricados e vendidos pelos dois blocos económicos e ambos disseram, igualmente, que vão tentar "resolver" o problema das tarifas impostas pelos Estados Unidos sobre as importações de aço e alumínio europeus, bem como das medidas de retaliação que se seguiram por parte da União Europeia.

As declarações de Donald Trump e de Juncker foram breves e os dois líderes recusaram-se a responder a perguntas durante o curto briefing que mantiveram com a imprensa presente no Jardim das Rosas, na residência oficial do Presidente norte-americano, após uma reunião que durou cerca de duas horas.

Na semana passada, Donald Trump ameaçou impor taxas de 25% sobre as importações de automóveis europeus no caso de as negociações desta quarta-feira não correrem bem. De acordo com cálculos efetuados pela Comissão Europeia, aquele nível de barreira comercial poderia ter como consequência um aumento de dez mil euros no preço médio de um carro construido na Europa e exportado para o mercado norte-americano. As importações poderiam cair para metade, o que causaria graves problemas aos produtores do Velho Continente, bem como aos fornecedores de componentes.