Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Novichok que causou a morte de Dawn Sturgess estava no interior de um frasco de perfume que o namorado lhe ofereceu

Jack Taylor/Getty

Sobrevivente da contaminação com Novichok em Salisbury diz não se lembrar como o veneno foi parar ao interior do frasco de perfume que ofereceu à namorada

O veneno que causou a morte de Dawn Sturgess encontrava-se no interior de um frasco que o namorado, Charlie Rowley, ofereceu à vítima na presunção de que se tratava simplesmente de perfume. O frasco, de acordo com declarações à ITV e ao jornal Sun do sobrevivente da contaminação com Novichok, estava embrulhado numa caixa com a aparência habitual daquelas que são usadas por marcas de produtos de luxo.

Rowley afirmou que a caixa estava embrulhada em papel celofane e selada, tinha a aparência de ser "cara" e de nunca ter sido usada. No entanto, acrescentou àqueles orgãos de informação que não consegue lembrar-se como foi possível o Novichok, desenvolvido nos laboratórios de venenos da União Soviética, ter aparecido no interior do frasco, apesar de ele próprio ter sido contaminado e hospitalizado, depois de uma porção de veneno se ter derramado sobre as suas mãos enquanto tentava montar um aplicador.

Sobre esta situação, Charlie Rowley afirmou que o recipiente continha uma substância oleosa e que não cheirava a perfume. Depois do incidente, segundo contou, lavou as mãos rapidamente e não pensou mais no assunto.

Dawn Sturgess, que tinha 44 anos e era mãe de três filhos, começou a sentir-se indisposta 15 minutos depois de ter aspergido e friccionado os pulsos com o líquido que se encontrava no interior do frasco. A mulher começou por se queixar de uma dor de cabeça, solicitou a Charley comprimidos para superar o problema, mas acabou por pedir para se deitar na casa de banho por se sentir "esquisita". Pouco depois, Rowley encontrou-a em estado "muito doente". Foi hospitalizada, após o casal ter sido encontrado inconsciente na casa de Rowley a 30 de junho, e acabou por falecer a 8 de julho

Este caso, ocorrido em Salisbury, no Reino Unido, segue-se ao ataque que foi perpetrado na mesma localidade também com Novichok, em março passado, contra o antigo agente secreto russo Sergei Skripal e a sua filha Yulia, que conseguiram sobreviver. As autoridades policiais terão já identificado os autores do ataque a Skripal, mas, em relação ao caso de Sturgess e de Rwoley, não há pistas claras sobre a forma como o veneno, que atua sobre o sistema nervoso, apareceu, nem quem o terá colocado.

O governo do Reino Unido acusou Moscovo de ter responsabilidades no atentado ao antigo espião, mas as autoridades russas negaram qualquer envolvimento.