Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Colômbia. Ex-Presidente Álvaro Uribe renuncia a cargo no Senado por investigação a crimes de suborno

DIANA SANCHEZ/AFP/Getty Images

Uribe foi Presidente entre 2002 e 2010, formou o seu próprio partido e continuou, no Senado, a ser um dos políticos mais populares do país. Em junho, conseguiu que um candidato pouco conhecido ganhasse a presidência da Colômbia, com a eleição de Iván Duque por uma grande margem. Juntos, propuseram uma nova configuração judicial que eliminaria o Supremo Tribunal, que já se encontrava a investigar o caso que agora atinge Uribe

O antigo Presidente da Colômbia Álvaro Uribe anunciou esta terça-feira a renúncia ao cargo no Senado, depois de o Supremo Tribunal divulgar que iria investigá-lo por “crimes de suborno e fraude processual”.

“O Supremo Tribunal chama-me para me interrogar. Não me ouviram previamente. Sinto-me moralmente impedido de ser senador. Vou enviar a minha carta de renúncia para que a minha defesa não interfira nas tarefas do Senado”, escreveu Uribe no Twitter.

A paisagem política colombiana tem sido dominada pelo ex-chefe de Estado nas últimas duas décadas. Uribe foi Presidente entre 2002 e 2010, formou o seu próprio partido e continuou no Senado a ser um dos políticos mais populares do país.

Em junho, conseguiu que um candidato pouco conhecido ganhasse a presidência da Colômbia, com a eleição de Iván Duque por uma grande margem. Juntos, propuseram uma nova configuração judicial que eliminaria o Supremo Tribunal, que já se encontrava a investigar o caso que agora atinge Uribe.

Apesar de acusado de muitos crimes relacionados com o longo conflito civil no país, que provocou mais de 220 mil mortos, nenhum pareceu suficientemente forte para afetar Uribe politicamente – até agora.

  • Iván Duque, opositor do acordo com as FARC, é o novo Presidente da Colômbia

    Com quase 54% dos votos, o candidato de direita venceu a segunda volta das eleições presidenciais deste domingo, as primeiras desde o acordo de paz assinado com os rebeldes das FARC. Perante uma multidão de apoiantes, Duque prometeu que não irá “governar com ódio”, mas disse que pretende rever o acordo. O candidato de esquerda, Gustavo Petro, que apoia o acordo, ficou ligeiramente abaixo dos 42%

  • Presidenciais na Colômbia. O guerrilheiro de esquerda que se opõe ao “menino bem comportado” da direita

    O regresso da direita ou o primeiro presidente de esquerda a sério: é esta a escolha que se impõe aos cerca de 36 milhões de eleitores colombianos que no domingo escolhem o sucessor de Juan Manuel Santos. O acordo de paz com as FARC, rejeitado em referendo, foi imposto à força e criou a maior cisão na sociedade colombiana em mais de meio século. De um lado Iván Duque, o delfim de Álvaro Uribe, que quer redesenhar o processo de paz: atinado, pragmático, sorridente e sem carreira partidária, para alguns representa “o refrescar” do sector político. Do outro Gustavo Petro, intelectual que lia livros proibidos e chocava os padres do liceu com o seu ateísmo e que ingressou na milícia M19 - quer a paz total com as guerrilhas e uma economia muito mais centralizada. Tem 37% das intenções de voto contra as 50% de Duque