Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Canadá não confirma que ataque em Toronto reivindicado por jihadistas seja terrorismo

Randy Risling

Além do atacante, duas pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas no ataque, que aconteceu na noite de domingo, em pleno concorrido “bairro grego” de Toronto. O EL alegou esta quarta-feira que um dos seus “soldados” realizou o ataque em resposta aos apelos do grupo para atacar cidadãos de países da coligação liderada pelos Estados Unidos na Síria e Iraque

O chefe de polícia de Toronto, Mark Saunders, disse esta quarta-feira que as autoridades não encontraram evidências para confirmar a reivindicação do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) pelo ataque de domingo em Toronto, que provocou a morte de duas pessoas.

"Neste estado (da investigação), não temos evidências para apoiar essas alegações" de terrorismo, declarou Saunders.

O EL alegou esta quarta-feira que um dos seus "soldados" realizou o ataque em resposta aos apelos do grupo para atacar cidadãos de países da coligação liderada pelos Estados Unidos na Síria e Iraque.

A reivindicação do grupo extremista foi feita através da Amaq, a agência de propaganda do EI, na rede social Telegram.

Em comunicado, Mark Saunders disse que todos os departamentos da Polícia de Toronto estão envolvidos na investigação e que estão a receber assistência das forças de segurança a todos os níveis.

Saunders acrescentou que as autoridades canadianas continuarão a explorar todas as vias de investigação, incluindo interrogatórios e investigando a atividade online e a saúde mental do autor do ataque, Faisal Hussain, que também morreu.

O ministro da Segurança Pública Federal, Ralph Goodale, também disse que não havia risco de segurança nacional após o ataque.

Na terça-feira, foi realizada a autópsia de Faisal Hussain, que esclarecerá se morreu em consequência dos disparos da polícia ou se se suicidou depois de abrir fogo na avenida Danforth, em Toronto, contra clientes de vários restaurantes e cafés.

Além do atacante, duas pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas no ataque, que aconteceu na noite de domingo, em pleno concorrido “bairro grego” de Toronto.

A polícia divulgou que as vítimas do atirador são Reese Fallon, de 18 anos, e uma rapariga de 10 anos, Julianna Kozis.

De acordo com a família do atirador, este sofria de problemas de saúde mental.