Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Toneladas de lixo invadiram as praias da República Dominicana

AFP/Getty

Centenas de trabalhadores municipaís apoiados por voluntários retiraram 60 toneladas de resíduos das praias durante a última semana

Garrafas e sacos de plástico, bem como numerosos recipientes de esferovite, fazem parte das 60 toneladas de detritos que centenas de trabalhadores municipais e equipas de voluntários retiraram das praias da República Dominicana desde há uma semana. Os resíduos, segundo o jornal New York Times, foram arrastados para a areia na sequência de chuvas intensas que se abateram sobre o país durante vários dias.

A praia mais afetada foi a de Montesinos, perto de Santo Domingo, capital da República Dominicana, mas o fenómeno tem acontecido com regularidade. "Isto acontece sempre que cai uma forte chuvada ou quando há uma tempestade", disse ao jornal norte-americano Cyrill Gutsch. O ativista ambiental que trabalha para a Parley for the Oceans alertou que a situação que voltou a verificar-se novamente na República Dominicana é apenas o sintoma de um problema global muito mais grave.

"Toda a gente usa os rios e as praias como depósitos de lixo", lamentou Gutsch. "A maior parte dos resíduos não regressam à costa e vão-se acumulando nos oceanos, onde se deterioram até se transformarem em eventuais partículas tóxicas", acrescentou o ambientalista, que deixou um alerta: "aquilo que não se vê nas imagens são essas partículas tóxicas".

A mais conhecida "ilha" de lixo flutuante está localizada no Oceano Pacífico e já atingiu uma área correspondente ao dobro da dimensão do estado norte-americano do Texas.