Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Emanuel Macron vai enfrentar a sua primeira moção de censura

Sean Gallup/Getty

Moção de censura, que deve ser apresentada até o final desta semana e votada em seguida, tem remotas possibilidades de avançar

O Governo do Presidente francês Emanuel Macron enfrentará nos próximos dias a primeira moção de censura, com poucas possibilidades de passar, originada pelo escândalo desencadeado pelo seu ex-chefe de segurança, que espancou manifestantes que fingiam ser polícias. Segundo a agência de notícias espanhola Efe, o novo capítulo do maior escândalo da era Macron começou com o anúncio da moção de censura por parte dos republicanos de centro-direita, a principal força da oposição.

O presidente do grupo parlamentar republicano, Christian Jacob, justificou a moção por considerar que o executivo liderado por Macron "fracassou" na gestão desta crise. A moção de censura, que deve ser apresentada até o final desta semana e votada em seguida, tem remotas possibilidades de avançar, já que o partido de Macron, 'A República em Marcha', goza de maioria absoluta na Assembleia Nacional.

"Queremos que o Governo se explique", explicou Christian Jacob, ciente das poucas possibilidades de retirar o atual Governo do poder. A oposição criticou a sanção aplicada a Alexandre Benalla, que foi punido sem emprego e salário entre 04 e 22 de maio, mas que voltou a assumir a função de chefe de segurança até ser demitido por Macron no último fim de semana, após o jornal Le Monde ter revelado o vídeo que mostra as agressões.