Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Procuradoria chilena investiga 158 pessoas relacionadas com Igreja Católica por abusos sexuais e outros crimes

investigação remonta a situações registadas no país desde 2000, quando entrou em vigor a reforma do processo penal

A procuradoria chilena está a investigar 158 pessoas relacionadas com a Igreja Católica na sequência de 144 casos de abusos sexuais e de outro tipo, anunciaram nesta segunda-feira responsáveis deste organismo judicial. A investigação remonta a situações registadas no país desde 2000, quando entrou em vigor a reforma do processo penal, referiu Luis Torres, diretor do departamento especializado em Direitos humanos, Delitos sexuais e Violência de Género, citado pela agência noticiosa Efe.

Até ao momento foram identificadas 266 vítimas, das quais 178 eram menores quando foram vítimas dos abusos, 31 eram adultos e as restantes não foram precisadas, assinalou Torres. Das pessoas investigadas, 74 estão identificados pela procuradoria como bispos, sacerdotes ou diáconos diocesanos que não pertencem a nenhuma congregação, ao contrário de outros 65 bispos, sacerdotes e diáconos, filiados nessas estruturas religiosas.

Também estão sob suspeita outras dez pessoas laicas, pertencentes a paróquias ou colégios, e mais nove cuja função não foi especificada. A procuradoria também determinou que "a grande maioria dos factos denunciados correspondem a delitos sexuais cometidos por sacerdotes párocos ou pessoas vinculadas a estabelecimentos educacionais".

A informação hoje divulgada surgiu na sequência de denúncias das procuradorias regionais, organizações sem fim lucrativo e informação entregue através de comunicados de imprensa por diversas dioceses do país.

Os casos de abusos sexuais abalam desde há anos a Igreja católica chilena, e em junho o papa Francisco aceitou as demissões de cinco bispos, após 34 membros da Conferência episcopal do Chile terem colocado os seus cargos à disposição.