Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Missouri. Capitão do barco que naufragou terá dito que coletes salva-vidas não eram necessários

Michael Thomas/Getty images

A revelação foi feita por uma das sobreviventes do naufrágio ocorrido na noite de quinta-feira num lago no estado do Missouri, nos EUA. A empresa proprietária do barco turístico ainda não se pronunciou sobre as declarações

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Uma sobrevivente do naufrágio de um barco turístico num lago dos EUA contou que o capitão disse aos passageiros, logo no início da viagem, que não seria necessário vestir os coletes salva-vidas disponíveis na embarcação.

A revelação foi feita à estação de televisão WXIN, sediada em Indianapolis. A sobrevivente, de nome Tia Coleman, disse ainda ter perdido nove familiares no acidente, que fez 17 mortos no total. Na sexta-feira, um barco turístico naufragou no lago Table Rock, em Branson, no estado do Missouri. “O capitão disse-nos que os coletes não eram necessários. Quando se deu o acidente, já era demasiado tarde”, afirmou Tia Coleman. A empresa proprietária do barco turístico, a Ripley Entertainment, ainda não se pronunciou sobre as declarações.

Na sexta-feira, o presidente da empresa, Jim Pattison, disse à CBS que embora houvesse coletes salva-vidas na embarcação, os passageiros não estariam legalmente obrigados a usá-los. Uma investigação preliminar concluiu que o acidente ocorreu devido à tempestade e vento forte que se fez sentir na noite de quinta-feira, mas continua por esclarecer, por exemplo, porque é que a empresa optou por fazer a viagem turística mesmo tendo sido emitido um aviso, por parte do Serviço Nacional de Meteorologia em Springfield, a cerca de 64 quilómetros de Boston, sobre a tempestade que iria ocorrer na noite de quinta-feira, em Branson e na zona do lago. “Quando emitimos um aviso, é suposto isso ter um efeito prático”, afirmou Kelsey Angle, um dos meteorologistas que ali trabalham.

Ainda em declarações à americana CBS, Jim Pattison admitiu que o “barco nunca deveria ter entrado na água tendo em conta as condições meteorológicas. “Por enquanto, a única coisa que sabemos é que houve uma tempestade que surgiu repentinamente, vinda do nada”, acrescentou. Suzanne Smagala, porta-voz da Ripley Entertainment, garantiu por sua vez que a empresa está a colaborar com as autoridades e acrescentou que este foi o único acidente em mais de 40 anos de operação. O barco da empresa transportava 29 passageiros e dois tripulantes. Sete dos 14 sobreviventes ficaram feridos. O capitão sobreviveu.