Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O seu filho quer criar um canal de Youtube? Eis alguns conselhos úteis para os pais

Do início ao fim, é importante ter manter uma atitude de “grande abertura”. O seu filho não deve ter dúvidas de que pode contar com a sua orientação e o seu apoio”, diz Devorah Heitner, investigadora e fundadora do Raising Digital Natives, plataforma para pais e escolas que procura aconselhar que orientar relação entre os mais jovens

Criar um plano, falar com os filhos sobre questões como a fama, discutir o conteúdo, dar apoio, desativar a opção dos comentários e continuar a acompanhar o processo mesmo depois de criado o canal. Eis os conselhos que Devorah Heitner, investigadora e fundadora do Raising Digital Natives, plataforma para pais e escolas que pretendem aconselhamento na área da tecnologia e media digitais, dá aos pais cujos filhos querem criar um canal no YouTube, num artigo publicado no jornal norte-americano “The Washington Post”.

Segundo Devorah Heitner, são cada vez mais as crianças com menos de 13 anos - idade mínima para ter um canal no Youtube - que estão a pedir aos seus pais autorização para criar um canal naquela plataforma. A esses pais, a investigadora recomenda, antes de mais, que comecem por questionar os filhos sobre por que razão pretendem estes ter um canal no YouTube, que tipo de vídeos querem partilhar, quais são os seus canais preferidos na plataforma e as razões dessa preferência, e quais os canais que menos gosta e porquê. Tudo isso mantendo uma “abordagem que demonstre curiosidade” e “nenhum julgamento”, diz Devorah Heitner.

Quantos aos conselhos aos pais, são cinco, e o primeiro começa desde logo por incentivar a criança a criar um plano em que indique “o que pretende oferecer”, isto é, qual o seu produto, qual o “público-alvo” que tem em mente e “com que frequência pretende publicar vídeos”. Se a ideia for fazer do canal um negócio, então as crianças devem ser questionadas sobre que tipo de anúncios ponderam ter.

Outro aspecto importante - e que é segundo na lista de conselhos aos pais - é “falar com os filhos sobre fama”. Porquê? “Porque algumas crianças querem muito ser famosas e encaram o YouTube como uma ferramenta para reconhecimento. Ouvem dizer que podem tornar-se super famosas e fazer muito dinheiro, mas isso é uma exceção e é preciso deixar isso claro”. Assim, a investigadora recomenda aos pais que expliquem aos filhos a “diferença entre ter ‘likes’ e muitas partilhas e ter de facto amigos que gostam do que eles fazem”. “Associar fama a números coloca uma enorme pressão sobre as crianças.

Para as crianças que se tornaram ‘virais’, essa experiência mudou a vida delas de uma forma irreversível”. Devorah Heitner sugere ainda aos pais que ajudem os filhos a reconhecer que a fama pode não ser propriamente “um objetivo digno a perseguir”. “Talvez o seu filho queira ser conhecido na sua comunidade por ser óptimo numa determinada disciplina ou num desporto, mas ensine-lhe que também pode ser gratificante - e menos stressante - fazer simplesmente coisas divertidas e ser conhecido apenas por um pequeno grupo de pessoas.

“Discutir o conteúdo dos vídeos” é outro dos conselhos que a investigadora dá, sugerindo assim aos pais que “sejam claros com os filhos sobre o que devem publicar e o que devem manter em privado”. Informações como o nome da escola, a idade, o clube onde praticam desporto, o nome dos membros da família, amigos, professores, não devem ser partilhadas, bem como informações relacionadas com a rotina das crianças.

Devorah Heitner aconselha ainda os pais a “amparar” os filhos, o que na prática significa “ver os vídeos antes de estes serem publicados e discutir eventuais riscos”, e aconselhar os filhos a manter as publicações “privadas”, partilhando-as apenas com familiares e amigos próximos. “Desativar a opção dos comentários aos vídeos” também é recomendado, uma vez que “para uma criança em idade escolar, o feedback que recebe em canais públicos não é útil nem autêntico”. Assim, o melhor será sugerir à criança que “procure feedback pessoalmente junto de amigos e familiares”. Se a criança em causa já for “famosa, seja por praticar um desporto seja por outra razão, então terá de ser isolada tanto quanto possível desta exposição pública negativa”.

Finalmente, Devorah Heitner aconselha os pais a continuar a apoiar os filhos mesmo depois de criado o canal. “Verifique se há algum problema ou algum conflito. E mantenha aquela abordagem de grande abertura, para que o seu filho não tenha dúvidas de que pode contar com a sua orientação e o seu apoio”.