Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA rejeitam apoiar referendo sugerido por Putin para o leste da Ucrânia

BRENDAN SMIALOWSKI/Getty

Porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca afirmou que “os acordos de Minsk são o processo que terá de ser seguido para resolver o conflito no Donbass e não incluem nenhuma opção de referendo”

A Casa Branca assegurou nesta sexta-feira que "não está a considerar apoiar" um referendo no leste da Ucrânia, uma sugestão que o Presidente russo apresentou ao seu homólogo dos EUA, Donald Trump, durante a cimeira de segunda-feira em Helsínquia.

"O Governo [dos Estados Unidos] não está a considerar apoiar um referendo no leste da Ucrânia", disse à agência noticiosa Efe Garrett Marquis, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca. "Os acordos de Minsk são o processo que terá de ser seguido para resolver o conflito no Donbass [a região controlada pelos separatistas pró-russos], e estes acordos não incluem nenhuma opção de referendo", sublinhou. "Organizar um suposto referendo numa parte da Ucrânia que não está sob controlo do Governo [ucraniano] é algo que não teria legitimidade", acrescentou.

O embaixador da Rússia em Washington, Anatoly Antonov, referiu hoje que Vladimir Putin e Donald Trump abordaram na cimeira de Helsínquia a possibilidade de um referendo no leste da Ucrânia como solução para o conflito. "Este problema foi discutido, foram formuladas propostas concretas para resolver este assunto", disse Anatoly Antonov ao responder a uma pergunta sobre se a possibilidade de um referendo no leste da Ucrânia foi um dos temas abordados na cimeira de segunda-feira.

Ao intervir num Fórum internacional de debate Valdai, o diplomata russo acusou as autoridades ucranianas de desrespeitarem os acordos de Minsk para a resolução do conflito armado que já provocou 10.000 mortos, entre civis e combatentes, nas regiões leste de Donetsk e Lugansk, ambas junto às fronteiras com a Rússia e onde os rebeldes declararam a secessão.

A proposta russa de um referendo também não agrada ao Governo de Kiev, que acusa Moscovo de apoiar militar e financeiramente os separatistas pró-russos das duas autoproclamadas repúblicas da região do Donbass. Esta foi a segunda proposta formulada por Putin durante a cimeira de Helsínquia e que a Casa Branca rejeita publicamente.

Na quinta-feira, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, assegurou que Trump "não está de acordo" com a sugestão emitida por Putin de permitir que a Rússia interrogue cidadãos norte-americanos acusados por Moscovo da prática de crimes.