Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Pai de crianças australianas mortas no voo MH17 ataca Trump pela atitude face a Putin

Destroços do avião da Malaysia Airlines, que se despenhou na Ucrânia, em julho de 2014

DIMITAR DILKOFF/AFP/Getty Images

Os filhos de Anthony Maslin estavam entre as 298 vítimas mortais do avião, que em 2014 foi derrubado quando sobrevoava a Ucrânia. Os investigadores concluíram que o avião caiu na sequência de um míssil disparado pela Rússia, mas o Kremlin nega envolvimento no ataque. Maslin exortou o Presidente dos EUA a evitar falar em “notícias falsas” e a concentrar-se em “factos irrefutáveis”

O pai de três crianças australianas que morreram na queda do avião da Malaysia Airlines, em 2014, criticou o Presidente dos EUA, Donald Trump, pela sua atitude em relação à Rússia. Os filhos de Anthony Maslin estavam entre as 298 vítimas mortais do voo MH17, que foi derrubado por um míssil quando sobrevoava a Ucrânia.

Os investigadores concluíram que o avião foi atingido por um engenho disparado pela Rússia, mas o Kremlin nega envolvimento no ataque. Maslin dirigiu-se a Trump esta terça-feira, via Facebook, no quarto aniversário do ataque, e exortou o Presidente norte-americano a evitar falar em “notícias falsas” e a concentrar-se em “factos irrefutáveis”.

“Que o voo de passageiros MH17 foi atingido no céu e 298 pessoas inocentes foram assassinadas é um facto irrefutável. Que o avião foi atingido por um míssil russo provou-se ser um facto irrefutável. Que matou os nossos três filhos bonitos e o seu avô e destruiu a nossa vida e muitas outras vidas no processo é um facto irrefutável. Que o homem cujo rabo acabou de beijar é responsável pelo que aconteceu e continua a mentir sobre isso é um facto irrefutável”, escreveu.

Neste último ponto, Maslin referia-se ao encontro entre Trump e o seu homólogo russo, Vladimir Putin, esta segunda-feira em Helsínquia, no final do qual o Presidente dos EUA disse acreditar na palavra de Putin sobre o não envolvimento nas eleições americanas de 2016. No dia seguinte, Trump acabaria por ceder às críticas e afirmou que acreditava ter havido ingerência russa nas presidenciais que lhe deram a vitória.