Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Fronteira será invisível entre Irlandas após o ‘Brexit’. Garantia dada por Theresa May

Leon Neal / Getty Images

“Reconheço totalmente que a sua subsistência e a dos seus amigos e familiares depende da liberdade de movimento para atravessar livremente a fronteira, negociar, viver e trabalhar diariamente”, disse a primeira-ministra britânica Theresa May

A primeira-ministra britânica, Theresa May, reiterou esta quarta-feira que a fronteira entre as duas Irlandas continuará a ser "invisível" depois da saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

O comunicado de May surgiu antes da sua viagem na quinta-feira para a província britânica da Irlanda do Norte, onde a primeira-ministra irá visitar os pontos fronteiriços para falar com os locais sobre as preocupações que tenham em relação ao 'Brexit'.

"Reconheço totalmente que a sua subsistência e a dos seus amigos e familiares depende da liberdade de movimento para atravessar livremente a fronteira, negociar, viver e trabalhar diariamente", disse May, razão pela qual afirma que o Governo não irá restabelecer uma barreira com a República da Irlanda, em nome da paz e das economias dos dois países.

"As viagens diárias continuarão sem interrupções e sem postos de controlo ou uma infraestrutura" que impeça o movimento entre fronteiras, assegurou a primeira-ministra, acrescentando que não será imposta nenhuma linha divisória entre o Reino Unido e a UE no Mar da Irlanda, pois o objetivo de May é a preservação "da integridade do mercado interno do Reino Unido e a posição da Irlanda do Norte nele".

Bruxelas alertou que a região deverá permanecer alinhada com algumas normas do mercado único e da união aduaneira, caso o resto do país abandone definitivamente esses espaços económicos e o Governo não apresente alternativas viáveis para manter a fronteira da Irlanda do Norte aberta.

Face à pressão dos membros do seu próprio Executivo, bem como do Partido Democrático Unionista (DUP na sigla inglesa), principal representante da comunidade protestante norte-irlandesa, May recusou a opção apresentada por Bruxelas.

A primeira-ministra também irá reunir-se na quinta-feira com os principais partidos políticos e líderes empresariais e comunitários da região, tendo marcado para sexta-feira um discurso em Belfast, onde irá expor a sua proposta de estratégia de saída da UE.

A apresentação da proposta na última semana resultou nas demissões do negociador britânico, Davis Davis, e do ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, em desacordo com a forma como estão a decorrer as negociações para a concretização da saída do Reino Unido da UE.

Dominic Raab, o novo negociador britânico nomeado por Theresa May, tem uma reunião marcada na quinta e na sexta-feira com o negociador-chefe do lado da União Europeia, Michel Barnier, cuja resposta ao plano britânico determinará a evolução do Governo.

"Desde o início das negociações que o Governo britânico pôs as circunstâncias únicas da Irlanda do Norte no centro das conversações. E nada irá prejudicar o nosso compromisso com a proteção do processo de paz", disse também May.