Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“É perigoso para o mundo”. Hungria retira-se de pacto mundial aprovado na ONU

Refugiados na fronteira entre a Sérvia e a Hungria

SOPA Images/ Getty Images

Os Estados Unidos da América já se tinham retirado no final de 2017, sob a justificação de que inclui disposições contrárias à política de imigração do Donald Trump

A Hungria, com um governo abertamente hostil à imigração, declarou esta quarta-feira que se retira do pacto mundial sobre as migrações aprovado na semana passada nas Nações Unidas, por considerar que encoraja o fluxo de pessoas "perigosas".

O documento não vinculativo, concluído após 18 meses de negociações, prevê nomeadamente o reforço da cooperação internacional para responder ao fenómeno mundial das migrações.

Washington retirou-se no final de 2017 da elaboração do pacto, afirmando que incluía disposições contrárias à política de imigração do presidente Donald Trump.

O ministro dos Negócios Estrangeiros húngaro, Peter Szijjarto, declarou esta quarta-feira em Budapeste que o documento é "perigoso para o mundo e para a Hungria" pois "incitará milhões de pessoas a porem-se a caminho".

"A Hungria deve sair do processo de aprovação (do texto) e, deste modo, indicar claramente que não considera de forma alguma que as medidas ou orientações do pacote sejam o caminho a seguir", declarou.

O "Pacto mundial para uma migração segura, ordenada e regulada" será ratificado formalmente numa conferência internacional prevista para meados de dezembro, em Marrocos.

Considerado o primeiro documento internacional sobre a gestão das migrações, o pacto inclui medidas para ajudar os países a lidar com as migrações.

Szijjarto declarou que a Hungria não acredita no caráter não vinculativo do documento.

A Hungria tem-se destacado desde 2015 pela sua política hostil ao acolhimento de migrantes, posição que tem sido criticada pelos parceiros europeus. O número de migrantes no mundo é calculado em 258 milhões, correspondente a 3,4% da população mundial.