Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ataque das autoridades da Nicarágua contra cidade rebelde de Masaya causa três mortos

Amigos e familiares de José Esteban Sevilla Medina, abatido a tiro em confrontos com a polícia em Masaya, carregam a urna durante o funeral que decorreu em 16 de julho

MARVIN RECINOS/Getty

Associação Nicaraguense pelos Direitos Humanos confirmou a morte de uma polícia, de um jovem de 15 anos e de uma mulher

O Governo da Nicarágua assumiu nesta terça-feira o controlo da cidade de Masaya, após um intenso bombardeamento de mais de sete horas lançado sobre a comunidade indígena de Monimbó, que causou pelo menos três mortos, anunciaram os ativistas. "Caiu Masaya, tudo está em silêncio. Os rapazes tiveram que abandonar as trincheiras e fugir, as suas armas eram demasiado pesadas", disse um membro do Movimento de 19 de Abril Masaya, citado pela agência Efe.

A Associação Nicaraguense pelos Direitos Humanos (ANPDH) confirmou a morte de uma polícia, de um jovem de 15 anos e de uma mulher, que morreu perto da sua casa. A ANPDH refere que o número de vítimas pode ser ainda maior, mas que ainda não é possível entrar na cidade, uma vez que continua cercada pelas "forças combinadas" do Governo, que integram polícias e militares.

Monimbó foi uma das comunidades que mais resistência tinha dado ao Governo de Ortega desde início de protestos sociais em abril, que já causaram pelo menos 351 mortos. O Governo da Nicarágua lançou hoje um forte ataque contra a comunidade indígena de Monimbó, um bairro a sul de Masaya, onde a oposição ao Presidente nicaraguense, Daniel Ortega, é mais forte.

Integrantes do Movimento de 19 de Abril Masaya denunciaram que milhares de membros das "forças combinadas" do Governo estabeleceram um cerco em torno de Masaya, a 29 quilómetros de Manágua, para impedir qualquer tipo de ajuda à população. O Departamento de Estado norte-americano pediu "energicamente" ao Presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, que pare com os ataques na cidade de Masaya, uma das que mais se opõe ao chefe de Estado.

Já o ministro nicaraguense encarregue das políticas nacionais, Paul Oquist, afirmou que uma "tentativa de golpe de Estado" falhou no país, salientando que o Governo quer retomar o diálogo para alcançar a reconciliação nacional.

"A boa notícia para a Nicarágua é que o golpe de Estado falhou, isto é, a tentativa de golpe na Nicarágua foi derrotada", afirmou em declarações à agência France Presse, após uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia com os seus homólogos da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos, na qual Paul Oquist representou a Nicarágua.

Desde 18 de abril que a Nicarágua é palco de manifestações e confrontos violentos. Os manifestantes acusam o Presidente Daniel Ortega e a mulher e vice-Presidente, Rosario Murillo, de abuso de poder e de corrupção. Daniel Ortega está no poder desde 2007, após um primeiro mandato de 1979 a 1990. Segundo a Associação Nicaraguense pelos Direitos Humanos (ANPDH), pelo menos, 351 pessoas morreram e 261 estão desaparecidas na Nicarágua.