Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Indonésia reafirma que quer Timor na Associação de Nações do Sudeste Asiático

O apoio “sem reservas” da Indonésia à adesão de Timor-Leste à Associação de Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) foi reafirmado pelo presidente do parlamento indonésio, Bambang Soesatyo

O presidente do parlamento indonésio, Bambang Soesatyo, reafirmou esta sexta-feira, durante um encontro com o Presidente de Timor-Leste em Jakarta, o apoio "sem reservas" da Indonésia à adesão de Timor-Leste à Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN).

O compromisso foi dado durante uma visita que o líder timorense, Francisco Guterres Lu-Olo, efetuou ao parlamento indonésio onde foi esperado pelos principais líderes do órgão legislativo com sede na capital indonésia, Jakarta.

Além de reafirmar o apoio à adesão de Timor-Leste, Soesatyo pediu a Lu-Olo para que as duas partes acelerem as negociações para fechar as fronteiras terrestres e marítimas entre os dois países.

Essa posição foi vincada numa declaração conjunta de Lu-Olo e Soesatyo realizada no parlamento, sem direito a perguntas dos jornalistas.

Soesatyo destacou a força da relação bilateral entre os dois países e a vontade de cimentar a cooperação bilateral, incluindo entre os parlamentos de Timor-Leste e da Indonésia.

Lu-Olo, que falou em português - como tem acontecido durante toda a visita de Estado a Jakarta - destacou a importância das relações entre os dois países e comprometeu-se a fazer o possível para que a questão das fronteiras seja resolvida.

"Os vizinhos sabem como resolver os seus problemas. Acredito firmemente que os nossos dois países vão encontrar ideias para encontrar uma solução para essa pequena diferença", frisou.

Lu-Olo agradeceu o apoio indonésio à adesão de Timor-Leste à ASEAN e sublinhou a crescente importância dos laços bilaterais.

"Timor-Leste e a Indonésia têm boas relações de amizade e de cooperação ao longo deste tempo. Esta visita ocorre dentro de um contexto de ideias, mas sobretudo na ideia de que os nossos dois países devem dar as mãos e olhar para a frente, para o futuro dos nossos dois países e dos nossos povos", afirmou.