Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

E, no entanto, a Coreia do Norte continua os trabalhos no seu reator nuclear

O líder norte-coreano Kim Jong-un que atribui à defesa do seu regime uma grande parte do PIB do país

Getty

A denúncia é do grupo de monitorização 38 North, que se apoia em imagens de satélite recolhidas na semana passada. As melhorias infraestruturais no complexo nuclear de Yongbyon “continuam a um ritmo acelerado”, garante o grupo. O líder norte-coreano comprometeu-se a fazer uma “desnuclearização completa” em encontros com os Presidentes dos EUA e da Coreia do Sul

A Coreia do Norte continua a atualizar o seu único reator nuclear conhecido, apesar das negociações em curso com os Estados Unidos e a Coreia do Sul, que têm como ponto fundamental a promessa de desnuclearização. A denúncia foi feita esta terça-feira pelo grupo de monitorização 38 North, com base em imagens de satélite.

As melhorias infraestruturais no complexo nuclear de Yongbyon “continuam a um ritmo acelerado”, garante o grupo cujo nome é uma referência ao paralelo 38, que definiu a fronteira entre o norte e o sul antes da Guerra das Coreias, no início dos anos 1950. O sistema de refrigeração do reator de produção de plutónio foi modificado e pelo menos dois novos edifícios não-industriais foram construídos, avança ainda o mesmo grupo.

As imagens de satélite, recolhidas a 21 de junho, permitem também concluir que o ritmo de construção em instalações de apoio em todo o complexo não abrandou, designadamente com a conclusão de um prédio de escritórios de engenharia.

O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, comprometeu-se a fazer uma “desnuclearização completa” em encontros com os Presidentes dos EUA, Donald Trump, e da Coreia do Sul, Moon Jae-in. No entanto, não ficaram definidos os prazos nem o modo como isso iria acontecer.

Em maio, ainda antes da cimeira histórica Kim-Trump, Pyongyang anunciou o encerramento do seu único local de testes nucleares.

  • "O chamamento dos tempos não pode ser adiado": o que diz o documento histórico assinado entre as Coreias

    A declaração assinada pelos líderes da Coreia do Norte e da Coreia do Sul depois da sua reunião histórica na Zona Desmilitarizada promete cooperação a níveis que não se prometiam desde antes da Guerra da Coreia mas não há fórmulas matemáticas - para já. O texto é vago mas toca em muitos pontos essenciais na vida dos milhões de coreanos que, de um lado e de outro, vivem atormentados com a possibilidade do resurgiamento de um conflito. Há promessas de ajuda humanitária, de reuniões entre as famílias separadas pela guerra, de fim das hostilidades entre os dois países e de desnuclearização