Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Áustria testa nova unidade policial com simulação de chegada de migrantes à fronteira

RENE GOMOLJ

O chanceler do país, Sebastian Kurz, quer assegurar que migrantes ilegais não metem um pé na União Europeia, para que não sejam necessárias fronteiras internas. “Estaremos preparados para fazer tudo o que for necessário para proteger as nossas fronteiras. Isso significa que vamos garantir as fronteiras em Brenner [na fronteira com Itália], mas também noutros lugares."

A Áustria está a preparar-se para uma eventual chegada de migrantes, alegando recear o que aconteceu em 2015. O Governo daquele país montou na terça-feira uma simulação em Spielfeld, na fronteira com a Eslovénia, onde aproveitou para dar a conhecer a nova força policial, conta o DW. É composta por 600 agentes e chama-se Puma.

O chanceler do país, Sebastian Kurz, quer assegurar que migrantes ilegais não metem um pé na União Europeia, para que não sejam necessárias barreiras internas. “Estaremos preparados para fazer tudo o que for necessário para proteger as nossas fronteiras. Isso significa que vamos garantir as fronteiras em Brenner [na fronteira com Itália], mas também noutros lugares.”

ROLAND SCHLAGER

Já Heinz-Christian Strache, vice-primeiro-ministro austríaco, disse que esta operação foi uma resposta ao debate europeu e hesitações e fendas na coligação governativa da Alemanha sobre o tema. “Com estes exercícios, queremos prepararmo-nos para todos os desenvolvimentos e enviar um sinal claro de que não vamos perder o controlo e ver entradas livres como aconteceu em 2015”, disse Strache ao Bild. O ministro do Interior, Herber Kickl, diz que falta credibilidade a um “Estado que não consegue proteger as fronteiras quando é necessário”.

A simulação contou com 500 polícias e mais de 200 soldados, em Spiefeld, um lugar por onde milhares de pessoas entraram no país, em 2015, durante o momento mais crítico da crise dos refugiados. O responsável da polícia local referiu que o número de refugiados ou migrantes que chegaram nos últimos tempos ali é “praticamente zero”.