Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA e Coreia do Sul suspendem exercícios militares conjuntos

O porta-aviões USS Reagan

YONHAP

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul chegaram a acordo para "suspender indefinidamente " novos exercícios militares conjuntos, na sequência da cimeira entre Donald Trump e Kim Jong-un, anunciou hoje o Pentágono.

Os Estados Unidos e a Coreia do Sul chegaram a acordo para "suspender indefinidamente " novos exercícios militares conjuntos, na sequência da cimeira entre Donald Trump e Kim Jong-un, anunciou hoje o Pentágono.

"Para apoiar a implementação dos resultados da Cimeira de Sigapura, e em coordenação com a nossa aliada da República da Coreia, o secretário de Estado da Defesa [James] Mattis suspendeu indefinidamente alguns exercícios", anunciou o porta-voz do Pentágono, Dana White.

O porta-voz explicitou que a decisão abrange a suspensão do exercício "Guardião de Liberdade" (Freedom Guardian), previsto inicialmente para agosto. Dois outros exercícios do Programa de Intercâmbio da Marinha Coreana, que deviam ocorrer nos próximos três meses, foram também suspensos.

Coreia no Norte "ainda é uma ameaça", diz Trump

Apesar dos avanços nas negociações entre os dois países registado na Cimeira de Singapura, o presidente norte-americano declarou esta sexta-feira que a Coreia do Norte ainda representa uma "ameaça extraordinária" para os Estados Unidos.

Numa ordem executiva, o Presidente norte-americano prorrogou por um ano a chamada "emergência nacional" em relação àquela nação com armas nucleares, voltando a autorizar as restrições económicas.

Embora esperada, a declaração surge nove dias depois de Donald Trump ter escrito na rede social Twitter que "não há mais ameaça nuclear da Coreia do Norte, depois do encontro com o líder norte-coreano Kim Jong-un, em Singapura.

A ordem refere que a "existência e o risco de proliferação de material físsil utilizável em armas" e as ações e políticas do governo norte-coreano "continuam a representar uma ameaça incomum e extraordinária à segurança nacional, à política externa e à economia dos Estados Unidos".