Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tentativa de golpe de Estado intercetada em São Tomé e Príncipe, afirma Governo

PATRICIA DE MELO MOREIRA/AFP/Getty Images

A “tentativa falhada de subversão da ordem constitucional” visava diretamente o primeiro-ministro do país, Patrice Trovoada, refere comunicado do Ministério da Defesa. Um antigo ministro e um sargento das Forças Armadas foram detidos. O Governo são-tomense fala em “premeditação”, “forte determinação na execução dos seus desígnios” e "cumplicidades nacionais e estrangeiras”

As forças de segurança de São Tomé e Príncipe intercetaram uma tentativa de golpe de Estado na quarta-feira, que visava diretamente o primeiro-ministro, Patrice Trovoada. A informação consta de um comunicado do Ministério da Defesa do país, citado pela DW África, a secção africana da Deutsche Welle.

Na sequência do que o Governo apelida de “tentativa falhada de subversão da ordem constitucional”, duas pessoas foram detidas: Gaudêncio Costa, ex-ministro da Agricultura e membro da comissão política do MLSTP/PSD (Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe, Partido Social Democrata), e Ajax Managem, sargento das Forças Armadas.

No documento assinado pelo ministro Arlindo Ramos, pode ler-se que houve “premeditação” e uma “forte determinação na execução dos seus desígnios”, além de “cumplicidades nacionais e estrangeiras”. Cabe agora ao Ministério Público e à Polícia Judiciária “esclarecer mais pormenores”, enquanto decorrem as investigações que deverão levar à justiça “todos os implicados”, acrescenta-se.

“O país está calmo, sob controlo do Governo da República, devendo todos prestar a sua colaboração para a preservação da paz e tranquilidade características do nosso país”, lê-se ainda no comunicado.

São Tomé e Príncipe vive um período de crise político-institucional depois de, em maio, a Assembleia Nacional ter exonerado três magistrados. A decisão, considerada vinculativa pelo Governo, foi contestada por vários partidos políticos. Entrevistado na altura pela DW África, o analista são-tomense Adelino Cassandra disse que o país está a caminhar para uma ditadura.