Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Migrantes. Angela Merkel desmente Donald Trump sobre aumento do crime na Alemanha

Carsten Koall

Donald Trump voltou a interferir na crise política que abala a coligação de governo na Alemanha devido à questão das migrações, escrevendo num ‘tweet’ que “a criminalidade na Alemanha aumentou mais de 10%” e afirmando que “os responsáveis [alemães] não querem anunciar estes números”

A chanceler alemã, Angela Merkel, negou esta terça-feira a alegação do Presidente norte-americano, Donald Trump, de que a criminalidade na Alemanha aumentou 10% desde a chegada de centenas de milhares de refugiados ao país.

“As novas estatísticas sobre criminalidade foram apresentadas recentemente pelo Ministério do Interior e falam por si”, respondeu Merkel a uma pergunta sobre um ‘tweet’ de Trump.

“Naturalmente temos de fazer mais na luta contra a criminalidade, mas evidentemente temos feito progressos”, acrescentou a chanceler, que falava numa conferência de imprensa conjunta com o Presidente francês, Emmanuel Macron.

Donald Trump voltou hoje a interferir na crise política que abala a coligação de governo na Alemanha devido à questão das migrações, escrevendo num tweet que “a criminalidade na Alemanha aumentou mais de 10%” e afirmando que “os responsáveis [alemães] não querem anunciar estes números”.

Merkel reuniu-se hoje com Macron em Meseberg, a norte de Berlim, para conciliar posições com vista à cimeira europeia da próxima semana, dominada pela reforma da zona euro, pela política migratória e pela saída do Reino Unido da UE.

Sobre a questão migratória, no topo da agenda depois do caso Aquarius, o barco com migrantes recusado por Itália, e a posição de confrontação à política de Merkel assumida pelo ministro do Interior alemão, Hörst Seehofer, Macron insistiu na necessidade de uma “resposta europeia” ao “desafio migratório”.

O Presidente francês insistiu também na necessidade de haver “mais capacidades” para vigiar as fronteiras externas, mas também “mais mecanismos de solidariedade tanto fora como dentro das fronteiras” europeias.