Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

México define de “cruel e inumana” a política migratória aplicada pelos Estados Unidos

NurPhoto

“Emitimos um apelo ao governo norte-americano, ao mais alto nível, para que reconsidere esta política e dê prioridade ao bem-estar e aos direitos dos pequenos rapazes e raparigas, independentemente da sua nacionalidade e da dua situação migratória”, sublinha Videgaray, chefe da diplomacia do México

O chefe da diplomacia do México, Luis Videgaray, definiu esta terça-feira de “cruel e inumana” a política migratória do Estados Unidos que implica a separação dos filhos dos imigrantes de seus pais.

“Em nome do Governo e do povo do México, quero expressar a nossa mais categórica e enérgica condenação a uma política cruel e inumana”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros numa mensagem aos ‘media’ sobre a separação de famílias de migrantes nos Estados Unidos.

“Emitimos um apelo ao governo norte-americano, ao mais alto nível, para que reconsidere esta política e dê prioridade ao bem-estar e aos direitos dos pequenos rapazes e raparigas, independentemente da sua nacionalidade e da dua situação migratória”, sublinhou Videgaray.

"Não podemos ficar indiferentes", acrescentou.

De acordo com números oficiais divulgados segunda-feira pela administração do Presidente Donald Trump, e que demonstram uma aceleração desta prática, mais de 2.300 crianças e jovens migrantes menores foram separados das suas famílias na fronteira com o México em apenas cinco semanas, na sequência da aplicação pelo Governo norte-americano da política de “tolerância zero” e que implica tratar como criminosos os indocumentados que entram no país.

Apesar dos protestos generalizados, Trump tem reafirmado que não permitirá que os EUA se tornem num “campo para migrantes”.

Na segunda-feira a ONU denunciou a medida como uma política “inadmissível” e “cruel”.