Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Melania Trump “odeia ver crianças separadas das suas famílias”

JOE SKIPPER

A primeira-dama dos EUA apela a um entendimento para que no Congresso tanto Republicanos como Democratas “possam finalmente chegar a acordo para se conseguir uma reforma da imigração bem-sucedida”. As medidas adotadas pelo marido, Donald Trump, contra as travessias ilegais de fronteiras conduziram à separação, no período de um mês e meio, de cerca de duas mil famílias

A primeira-dama dos EUA, Melania Trump, “odeia ver crianças separadas das suas famílias” e apela a um entendimento para a reforma das leis da imigração. A informação foi avançada este domingo pela sua porta-voz.

“Temos de ser um país que segue todas as leis, mas também um país que governa com o coração”, disse a esposa de Donald Trump em comunicado, afirmando esperar que no Congresso tanto Republicanos como Democratas “possam finalmente chegar a acordo para se conseguir uma reforma da imigração bem-sucedida”.

As medidas pesadas, adotadas pelo marido, contra as travessias ilegais de fronteiras levaram a que, no período de um mês e meio, cerca de duas mil famílias fossem separadas. Os adultos que tentam atravessar a fronteira dos EUA, muitos deles com intenção de pedir asilo, ficam sob custódia e enfrentam processos-crime por entrada ilegal no país. Em resultado, centenas de crianças são separadas dos pais e enviadas para centros de detenção.

“É cruel, imoral e parte-me o coração”, diz Laura Bush

Também a antiga primeira-dama, Laura Bush, abordou recentemente o assunto. Num artigo publicado no jornal “The Washington Post”, a esposa do ex-Presidente George W. Bush escreveu: “Esta política de tolerância zero é cruel. É imoral. E parte-me o coração”.

“O nosso Governo não devia estar a armazenar crianças em lojas de caixas convertidas ou a fazer planos para as colocar em tendas no deserto. Essas imagens são reminiscentes dos campos de internamento nipónico-americanos da Segunda Guerra Mundial, agora considerados como um dos episódios mais vergonhosos da história dos EUA”, acrescentou.

  • “Repitam: direitos humanos”

    O tratamento dos refugiados e das minorias é o espinho na quase garantida reeleição de Viktor Orbán. A Europa não se conforma com a recusa do seu governo populista em receber estas pessoas e é possível que Hungria venha a enfrentar sanções. Com a chegada das eleições, que se realizam este domingo, traçamos o perfil de uma democracia “iliberal” que é acusada de não deixar respirar a sua sociedade civil. E falámos com o governo de Orbán, que garante que “nunca vai ceder”

  • A misteriosa Melania Trump

    Quase sem se dar por ela, a “menina Knavs” tornou-se a primeira-dama dos EUA. Ambição e discrição foram a receita do sucesso de um percurso de vida que ainda hoje gera polémica nos tribunais do país natal, como contaram ao Expresso várias fontes ligadas aos Trumps