Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Morreu Afonso Dhlakama, líder histórico da Renamo

GIANLUIGI GUERCIA/GETTY IMAGES

Afonso Dhlakama estava escondido desde 2015 algures na Serra da Gorongosa, na província de Sofala, no centro de Moçambique. Negociações para que abandonasse o esconderijo estavam em curso

Helena Bento

Helena Bento

Jornalista

Afonso Dhlakama, líder da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), morreu esta quinta-feira, aos 65 anos, avançou a agência de notícias AFP, citando fontes do partido.

Ainda não é conhecida a causa da sua morte, mas a Televisão Independente de Moçambique avança que o líder da Renamo terá morrido de complicações relacionadas com a diabetes e enquanto aguardava pelo helicóptero que o levaria a Pretória para submeter-se a um tratamento hospitalar de urgência.

Afonso Dhlakama estava escondido desde 2015 algures na Serra da Gorongosa, na província de Sofala, no centro de Moçambique. No final de abril, Ivone Soares, chefe da bancada parlamentar da Renamo, revelou que estavam em curso negociações para que o líder da principal força política da oposição pudesse abandonar em segurança o local onde se encontrava escondido e retomar a vida política.

“Estamos a trabalhar para que a saída do presidente Afonso Dhlakama seja para breve com as medidas de segurança acauteladas e com o término das negociações militares que englobam garantias de que as forças residuais da Renamo vão ser acopladas dentro do exército único do estado moçambicano”, afirmou então Ivone Soares à rádio RFI, acrescentando não ter dúvidas sobre as “sinceras intenções do diálogo político em curso” entre Frelimo e Renamo. Em março, foi prolongada a trégua assinada em dezembro de 2016 entre a Renamo e a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo).

A 17 de abril, o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, confirmou que o Governo e a Renamo estavam a finalizar um acordo para o desarmamento, desmobilização e reintegração dos seus combatentes nas forças de segurança - o que era uma das exigências da Renamo antes de abandonar a sua “luta” contra a Frelimo.

"Conseguimos encetar um diálogo com o presidente da Renamo e através de contactos temos estado a construir confiança mútua, que até ao momento ajudou o nosso país a parar com a violência, mesmo que tenha sido localizada", disse na altura Nyusi, citado pela Lusa.

Afonso Dhlakama iniciou a sua vida política e militar em 1974, ano em que integrou a Frelimo. Dois anos depois, em 1976, deixou o partido para formar a Renamo. Após a morte do primeiro presidente do partido, André Matsangaíssa, e depois de uma luta pela sucessão no cargo, Dhlakama tornou-se presidente do movimento de oposição ao regime. Foi ele quem liderou o partido durante a Guerra Civil que durou 16 anos e que viria a terminar, em 1992, com a assinatura do Acordo Geral de Paz, entre Dhlakama e Joaquim Alberto Chissano.

Em 2014, assinou também o acordo de cessação de hostilidades com Armando Emílio Guebuza (presidente do país entre 2005 e 2015) e nos últimos anos vinha negociando com o atual Presidente da República, Filipe Nyusi, uma forma de garantir a paz no país. Com a sua morte, surge a questão de quem assumirá a liderança do partido e que rumo dará esse mesmo sucessor às negociações em curso.

Dentro de cinco meses haverá eleições presidenciais, legislativas e regionais em Moçambique. Vários analistas têm chamado a atenção a base de apoio crescente da Renamo.