Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Filhos de Assad passaram férias num campo para jovens na Crimeia

JOSEPH EID/AFP/Getty Images

A estadia ajudou-os a compreender melhor a Rússia, confessou o Presidente sírio a uma delegação oriunda de Moscovo que o visitou

Luís M. Faria

Jornalista

Três filhos do Presidente sírio Bashar al-Assad passaram férias em Artek, um famoso campo de férias na Crimeia, que vem dos tempos da ex-União Siviética (URSS). Aconteceu no ano passado, e Assad garante que isso os ajudou a compreender melhor a Rússia. As declarações terão sido feitas durante a visita de uma delegação russa a Damasco, capital da Síria, e foram reportadas pelo líder dessa delegação.

O diretor do campo, Alexei Kasprzhak, confirmou a presença de Hafez, Zain e Kareem, respetivamente com 16, 14 e 13 anos. “Sim, estiveram aqui. Vieram como crianças normais. Houve crianças com esse nome de família. Não sei quem é o pai deles”, garantiu, acrescentando que as crianças nem sempre dão o nome dos pais. Seja verdadeira ou não a ignorância, as palavras deste responsável reforçam a ideia de que a estadia foi rodeada por medidas de forte secretismo.

Nos tempos da URSS, Artek era um dos destinos de férias mais desejados pelos jovens. Mais tarde entrou em decadência, tendo sido objeto de uma restauração recente. Com lugar para 3600 crianças e jovens em simultâneo, recebe cerca de 30 mil por ano. Além dos filhos de militares e de outros nacionais, também estrangeiros lá passam férias, atraídos pela qualidade das praias e pelo ambiente.

Com sete quilómetros de costa, Artek fica em Hurzuf, no Mar Negro. “Acho que eles apreciaram estar cá. Se bem me recordo, gostam de desportos”, disse Kasprzhak, referindo-se aos filhos de Assad.

Foi em setembro 2015 que a Rússia interveio militarmente na Síria, dando um apoio que se revelaria decisivo para virar a guerra a favor de Assad. Desde essa altura, o governo vem progressivamente a ganhar terreno, e as relações com Moscovo a estreitar. Pelo meio, episódios de ataques a populações civis com armas químicas têm despertado a indignação internacional e levado à imposição de sanções por parte de países ocidentais.